Senador Fernando Bezerra defende mudanças na Eletrobras para volta de investimentos e desenvolvimento nacional

1

Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) subiu à Tribuna do Senado para defender o aprofundamento do debate sobre a possibilidade de abertura do controle acionário da Eletrobras. Ao posicionar-se favorável às medidas anunciadas hoje pelo Ministério de Minas Energia (MME) voltadas à recuperação da empresa, o senador destacou que o objetivo do governo é “materializar um caminho para o rápido retorno dos investimentos em uma área tão estratégica para o desenvolvimento nacional”.

“A partir das possíveis mudanças, a Eletrobras, ao adotar práticas consagradas de governança corporativas e com base forte de acionistas, também se tornará uma empresa altamente competitiva a nível nacional e internacional”, afirmou o líder do PSB e vice-líder do governo no Senado. “O que o Ministério de Minas e Energia deseja é reproduzir no setor elétrico nacional a experiência exitosa da Embraer e da Vale do Rio Doce, por exemplo”, completou.

Ao elencar as causas dos prejuízos financeiros contabilizados pela Eletrobras no decorrer dos últimos anos e que também contribuíram para a piora do ambiente de negócios no setor elétrico, Fernando Bezerra explicou que a proposta do MME de “acabar com as amarras características de uma estatal federal” e de pulverizar o capital da empresa é devolver a capacidade da Eletrobras de voltar a investir, tornar-se mais eficiente e valorizar os funcionários, além de fortalecer o mercado de capitais e o ambiente de negócios, neste segmento. Como consequência, este processo também irá, na avaliação do senador, gerar mais dividendos e arrecadação ao país, contribuindo para o ajuste fiscal.

“As ações da Eletrobras já valorizaram mais de 40% num único dia. Só com o anúncio dessa iniciativa a Eletrobras está recuperando mais de R$ 10 bilhões do valor de mercado”, ressaltou Bezerra Coelho. Na Tribuna, o senador observou que, segundo estudos de mercado, a Eletrobras causou, no decorrer dos últimos 15 anos, um prejuízo em torno de R$ 200 bilhões aos cofres públicos. “E isso foi fruto de uma série de decisões equivocadas ao longo desses anos”, disse.

1 Comentário

  1. washington

    23 de agosto de 2017 em 13:46

    OBrasil e em especial petrolina sabe oque estar por traz desta privatização2018 vem ai.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Enem 2020 será nos dias 17 e 24 de janeiro do próximo ano

A edição de 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será nos dias 17 e 24 de janeiro…