Pizzolato diz que “prefere morrer” a cumprir pena no Brasil

diretor

O ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, afirmou nesta segunda-feira (04) ao senador italiano Carlo Giovanardi que “prefere morrer a descontar a pena por anos em uma penitenciária do Brasil”.

Giovanardi, que é o chefe do partido Área Popular na Comissão de Justiça do Senado, teve uma reunião com o brasileiro e seu advogado, Alessandro Sivelli, e divulgou uma nota explicando os temas debatidos entre eles.

O parlamentar pediu ao ministro da Justiça local, Andrea Orlandi, que “revogue” a decisão de extraditar o acusado no processo do Mensalão ao Brasil. Segundo Giovanardi, a medida “coloca em risco a vida de Pizzolato, que se colocou a disposição de cumprir a pena na Itália, mesmo com o legítimo pedido de revisão do processo em que foi envolvido no Brasil”.

“Pizzolato obteve a negação da extradição da Corte de Apelo de Bolonha enquanto a Corte de Cassação jogou a decisão para o governo italiano que, incompreensivelmente, estabeleceu que Pizzolato, cidadão italiano, deve ser extraditado ao Brasil em 11 de maio”, destacou o líder do AP.

Na semana passada, Giovanardi já havia apelado para o governo rever a decisão contra o ítalo-brasileiro, dizendo que era “incompreensível” sua extradição.

1 Comentário

  1. Ronaldo

    5 de maio de 2015 em 23:03

    Já qoe o mesmo prefere morrer, por que não cria uma lei a Pena de Morte no Brasil seria bem interessante ñ acha Edenevaldo Alves?

Veja também

Danilo elege Brasília Teimosa em Recife (PE) para 1º ato oficial da campanha nesta terça (16)

Uma grande caminhada pelas ruas do simbólico bairro de Brasília Teimosa, no Recife, marca …