Taubaté (SP): Em mensagens, mãe que encontrou filha com nome do ex tatuado no rosto pede que ele aceite o fim do namoro

Uma troca de mensagens divulgada ao g1 pela mãe que encontrou a filha com o nome do ex-namorado tatuado no rosto em Taubaté (SP) mostra as tentativas dela de pedir para que ele aceitasse o fim da relação.

Uma resposta em áudio mostra que o jovem, de cerca de 20 anos, se recusa a conversar.

Ele foi detido neste sábado (21) por descumprir uma medida protetiva, que o impedia de se aproximar dela. Deborah Velloso conta que tem medo do que ele possa fazer contra a filha, de 18 anos, caso seja solto pela Justiça. Ele deve passar neste domingo (22) por uma audiência de custódia.

Em um print que mostra a troca de mensagens, ela alerta que ele pode ser preso, mas ele responde que ainda não tem motivos para ser preso. Em seguida ela volta a pedir que ele se afaste da filha, dizendo que ela não quer mais se relacionar com ele. Já em outro trecho, ela afirma que ele já bateu muito nela e pede que ele aceite o fim da relação.

O caso veio a público neste sábado (21), após Déborah registrar um boletim de ocorrência contra o ex-namorado da filha depois de ela ficar desaparecida por um dia e ser encontrada com o nome dele tatuado no rosto.

De acordo com a mãe, a filha tem histórico de um relacionamento instável com o jovem, contra quem tinha duas medidas protetivas, uma de 2021 e outra de 2022.

Ela disse à polícia que após a filha não dar notícias desde que saiu para ir a um curso durante a tarde de sexta, ela foi até a rua em que o jovem mora e viu a filha no carro dele. Ao chegar em casa, encontrou a jovem com hematomas e com a tatuagem no rosto.

O g1 tenta localizar a defesa do jovem. O caso foi registrado no plantão policial e será investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Taubaté a partir de segunda-feira (23). (G1 Vale do Paraíba)

Fechado para comentários

Veja também

Confira as oportunidades de trabalho para Petrolina (PE) nesta quinta-feira (11)

Nesta quinta-feira, das 650 vagas para trabalhar, 57 são para pessoas com deficiência (PCD…