Novo pedido de prisão de Geddel com base em provas inéditas

0

Um dia após o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) ganhar o benefício de cumprir prisão domiciliar, o Ministério Público Federal fez, nesta quinta-feira (13), um novo pedido de prisão preventiva contra o peemedebista à Justiça Federal, apresentando novas provas do seu envolvimento em fatos criminosos e da tentativa de obstruir a delação premiada do operador financeiro Lúcio Funaro.

Segundo a revista Época, a perícia no telefone celular da mulher de Funaro, Raquel, demonstrou que Geddel realizou 17 contatos telefônicos com ela em apenas 19 dias dos meses de maio e junho deste ano. O período da perícia foi curto porque Raquel trocou de celular recentemente, mas demonstrou quase um contato telefônico por dia.

Ademais, o MPF também apresentou um depoimento inédito de Funaro, que está negociando delação premiada. Nele, o operador financeiro conta que levava malas de dinheiro para Geddel em Salvador. “O declarante [Funaro] fez várias viagens em seu avião ou em voos fretados, para entregar malas de dinheiro para Geddel Vieira Lima; que essas entregas eram feitas na sala VIP do hangar Aerostar, localizada no aeroporto de Salvador/BA, diretamente nas mãos de Geddel; (…) que, realmente, em duas viagens que fez, uma para Trancoso/BA e outra para Barra de São Miguel/BA, o declarante fez paradas rápidas em Salvador/BA, para entregar malas ou sacolas de dinheiro para Geddel Vieira Lima”, relatou Funaro.

Funaro também teria contado que as ligações de Geddel lhe provocavam receio sobre uma possível retaliação – contra ele e sua família – caso fizesse uma delação. Segundo o operador, o peemedebista prometia ajuda junto ao Judiciário para tentar soltá-lo. A defesa de Geddel tem afirmado que os contatos telefônicos não foram para atrapalhar a delação de Funaro e nega a prática de ilícitos. (DP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Relatora dá parecer favorável à PEC que prevê prisão após 2ª instância

A relatora da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que prevê a prisão do réu ap…