Deputados usam som que imita cachorros para atrapalhar ato por Marielle na Câmara

0

Dez minutos depois de deputados do PSOL e outros partidos de esquerda começarem um ato em homenagem a Marielle Franco, colegas de direita entraram no mesmo Salão Verde da Câmara para protestar contra a violência animal.

Oito deputados federais, entre eles Daniel Silveira (PSL-RJ), que rasgou a placa com o nome de Marielle, posicionaram-se a poucos metros com caixas de som que emitiam latidos.

“Lugar de bandido é na cadeia. O que nós queremos é o fim da impunidade”, disse Fred Costa (Patriota-MG), que organizou o ato, segundo ele, na véspera. “Vamos fazer um minuto de silêncio por todos os animais que lamentavelmente são maltratados ou sacrificados.”

Nesta quinta-feira (14), a execução da vereadora carioca Marielle (PSOL) e do seu motorista Anderson Gomes completa um ano. Na terça (12), dois suspeitos de executar o crime foram presos. A polícia ainda investiga o eventual mandante.

No mesmo dia, o PSOL marcou o ato no Salão Verde e o divulgou em redes sociais e na Câmara.

“Não existe milícia sem Estado. O Estado tem sangue nas mãos”, discursou a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ), amiga e aliada de Marielle.

“Isso é importante dizer porque a milícia domina território, dá cinco tiros na cabeça de jovem no Rio de Janeiro e tem poder econômico, político e armado”, prosseguiu. “O Estado brasileiro precisa devolver ao povo a possibilidade de lutar pelo aprofundamento da democracia.”

Alguns manifestantes choravam. Faixas com o busto da vereadora e a pergunta: “Quem mandou matar Marielle?” foram erguidos.

Os cachorros às vezes incomodam, declarou Daniel Silveira logo ao lado, “mas no segundo seguinte estão abanando o rabo, por isso não tem por que você maltratar um animal”.

O deputado ficou conhecido pela foto com o hoje governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), em que rasgam a placa de rua com o nome de Marielle em meio aos protestos contra o seu assassinato, no ano passado.

“Eu nem sabia da homenagem à Marielle”, disse, negando motivos para constrangimento. “Na verdade eu me senti incomodado porque eu sabia que eles iam distorcer o fato dos latidos como se estivéssemos zombando deles.”

Os apoiadores de Marielle em nenhum momento se dirigiram aos manifestantes contra violência animal e vice-versa.

Procurado pela reportagem, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) comentou a sobreposição de protestos.

“Uma provocação inútil, que mostra que eles não estão aguentando as investigações chegarem perto deles e as milícias próximas ao partido dele”, afirmou.

“Não conseguem inibir a grandeza do ato de um ano do assassinato da Marielle. Rottweilers também latem.”

“Vivam os animais!”, encerraram os deputados ao lado, sorrindo. Segundo Fred Costa, o ato foi marcado porque 14 de março é dia nacional dos maus-tratos.

“Você vai me desculpar. Querer polemizar que estamos querendo desmerecer a morte de alguém [não aceito], mesmo porque não atrapalhamos em nada”, afirmou o deputado.

“Queremos inclusive que seja apurado qualquer caso de assassinato a parlamentar ou não parlamentar e de maus-tratos a animais também. Somos contrários à violência .” (FolhaPress).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Às vésperas da visita de Jair Bolsonaro, Damares diz que ‘Nordeste tem manual prático de bruxaria para crianças’

Às vésperas da visita do presidente jair Bolsonaro ao Nordeste, um vídeo da ministra da Mu…