Bahia relata dificuldades na compra de dipirona e neostigmine injetáveis

A Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) relatou, nesta terça-feira (7), uma dificuldade na compra de dois medicamentos injetáveis: o dipirona e o neostigmine. De acordo com a pasta, “alguns processos licitatórios foram considerados fracassados” para a aquisição dos fármacos.

Ambos os remédios estão em uma relação de cinco medicamentos de uso hospitalar e pré-hospitalar que estão em falta no mercado, segundo entidades médicas. A lista inclui também a atropina, a amicacina e a ocitocina.

Para evitar o desabastecimento na Bahia, houve, conforme explicou a Sesab, a compra centralizada do dipirona e do neostigmine. “Quanto aos demais medicamentos, não há problemas de abastecimento”, acrescentou a secretaria através de nota.

Em matéria publicada na Folha nesta terça, insituições de todo o país reforçaram o alerta de baixo estoque dos itens. Um documento foi enviado ao Ministério da Saúde pedindo que o governo regule a compra e a venda.

Assinam a nota a Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) , ISMP (Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos), Rebraensp (Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente), SBA (Sociedade Brasileira de Anestesiologia), SBRAFH (Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde), Sobrasp (Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente).

O Ministério da Saúde indicou que, em conjunto com outras instituições, irá apurar as causas do desabastecimento. (Bahia Notícias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Rotatória da Avenida Monsenhor Ângelo Sampaio ganha projeto paisagístico em Petrolina (PE)

Um trecho da Avenida Monsenhor Ângelo Sampaio ganhou mais cor e beleza em Petrolina. Isso …