Voluntário da CoronaVac morreu por intoxicação, diz laudo do IML

O Instituto Médico Legal (IML) divulgou, na tarde desta quinta-feira (12), laudo sobre a morte do voluntário que participava dos estudos da vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, no Brasil. De acordo com o IML, o homem de 32 anos veio a óbito no dia 29 de outubro em decorrência de uma intoxicação.

Essa morte fez com que a Agência de Vigilância Sanitária suspendesse os ensaios da imunização, a fim de investigar possível “evento adverso grave”, nesta semana. Após a paralisação dos estudos, a polícia divulgou o boletim de ocorrência sobre o falecimento do voluntário, onde consta a causa do óbito como suicídio.

Ainda de acordo com o laudo de exames toxicológicos do IML, finalizado no últmo dia 10, a morte do voluntário se deu por “intoxicação aguda por agentes químicos”: álcool e uma “grande quantidade” de sedativos e um analgésico utilizado em procedimentos cirúrgicos. A médica legista que assina o documento descreve tal medicamento como “100 vezes mais pontente do que a morfina

Nesta quinta-feira (12), o estudo da Coronavac no Instituto Butantan foi retomado, após 38h de paralisação, depois que Anvisa autorizou o retorno dos testes, nessa quarta-feira (11). “Após avaliar os novos dados apresentados pelo patrocinador depois da suspensão do estudo, a Anvisa entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada”, informou a agência por meio de nota. (diáriodepernambuco)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Mais de mil pés de maconha são descobertos em povoado de Casa Nova (BA)

Uma plantação com mais de mil pés de maconha foi erradicada no munícipio de Casa Nova (BA)…