Pernambuco: Dermatologistas descobrem que surto de coceira na pele pode ter sido provocado por asas de mariposas

O contato com cerdas de um tipo específico de mariposa está sendo considerado pela Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde do Recife como a principal hipótese para o surto de lesões na pele em Pernambuco.

A semelhança dos casos com outros surtos ocorridos no Brasil nessa mesma época do ano, e a proximidade da Mata Atlântica com os municípios que possuem notificações do tipo levam os estudos a considerarem que mariposas da espécie hylesia estejam provocando as lesões.

Segundo a secretária executiva de Vigilância em Saúde do Recife, Marcella Abath, quando voam próximo a lugares luminosos ou lâmpadas, as mariposas liberam cerdas.

“Essas cerdas formam uma espécie de nuvem que fica no ar ou caem na superfície. Se a pele tiver contato direto ou por meio de uma roupa que esteja com essas cerdas, pode haver reação alérgica e coçar bastante, causando as lesões”, afirmou a secretária, informando que mesmo diante da forte hipotese da mariposa, o estudo ainda não está concluído.

“A investigação da causa pela escabiose está em andamento, mas por ela ser contagiosa e não encontramos a presença de ácaros, essa hipótese está sendo enfraquecida”.

A secretária também informou que a investigação da água não apontou nada que pudesse provocar as lesões. “Além disso, não termos uma fonte única de abastecimento nos dois bairros com maior incidência, que são Dois Irmãos e Guabiraba [ambos localizados na Zona Norte do Recife]. A hipótese das arboviroses também foi enfraquecida porque o quadro clínico não aponta para dengue nem chikungunya”, afirmou Marcella.

O Recife é o município com maior números de casos registrados até o momento, contabilizando 335 notificações, segundo informou a secretária executiva de Vigilância em Saúde do Recife.

Embora o município ainda trate a relação das lesões com as mariposas como possibilidade, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) se refere ao caso como um mistério desvendado.

De acordo com a entidade, a dermatologista Cláudia Ferraz conduziu uma pesquisa sobre a história epidemiológica e descreveu adequadamente as lesões, o que levou a suspeitar da provável etiologia.

Por sua vez, o também dermatologista Vidal Haddad Junior, que havia testemunhado e publicado outros surtos, esclareceu a etiologia da erupção. O relatório de ambos atesta

A SBD enaltece que o trabalho da dupla permitiu descartar várias hipóteses levantadas para explicar a origem do surto, como intoxicação por ivermectina, escabiose (sarna), picadas de insetos, entre outras que, segundo a entidade, não tinham comprovação técnica ou científica. (Foto: Divulgação/Secretaria de Saúde de Sapiranga). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Acidente de trânsito deixa vítima em estado grave na BR 110, em Ibimirim (PE)

Na segunda-feira (17), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) atendeu a um acidente do tipo co…