STJD marca para a próxima sexta julgamento do pedido de anulação de Náutico x Paysandu

0

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol agendou para a próxima sexta-feira às 11h o julgamento do pedido de impugnação de partida entre Náutico e Paysandu, solicitado pelo clube paraense. A partida definiu o acesso alvirrubro após empate por 2 a 2 e vitória pernambucana na disputa de pênaltis. O relator sorteado para o caso foi o auditor Mauro Marcelo de Lima e Silva.

A diretoria do Papão questiona a marcação do pênalti a favor do Náutico pelo árbitro Leandro Pedro Vuaden, aos 49 minutos do segundo tempo, o que possibilitou os alvirrubros empatarem a partida. De acordo com a visão dos advogados do clube paraense houve um “erro de direito”, de acordo com o novo entendimento da Regra 12, que fala sobre mão na bola e que lista como exceção as infrações de toque “se a mão ou braço estiver perto do corpo e não faça o corpo artificialmente maior”.

Assim, a defesa do Paysandu alega que o jogador Caíque Oliveira cabeceou a bola na direção do braço esquerdo do companheiro de equipe (Uchoa), que estava a uma curtíssima distância, com o braço devidamente recolhido junto ao corpo e sem fazer qualquer movimento.

Na última sexta-feira, o presidente do STJD, Paulo César Salomão Filho, deu prosseguimento ao pedido do Paysandu autorizando a realização do julgamento, ao mesmo tempo que determinou que a CBF não homologasse o resultado da partida até que o caso fosse ao tribunal. Ao mesmo tempo, porém, não atendeu ao outro pedido do clube paraense, para paralisar a Série C.

Assim, o Náutico enfrentou o Juventude no último domingo, em Caxias do Sul, pela partida de ida das semifinais da competição e acabou derrotado por 2 a 1. O jogo de volta está agendado para o próximo domingo, às 18h, nos Aflitos. fato esse que, por sinal, tranquilizou o departamento jurídico alvirrubro, que acredita que a continuidade da Série C enfraquece a chance de sucesso do pedido paraense de anulação da partida.

O Náutico também usará em sua defesa o relatório da ouvidoria de arbitragem da CBF, assinado pelo ouvidor Manoel Serapião Filho, que aponta que a atuação do árbitro Leandro Pedro Vuaden não ocasionou “prejuízo direto a uma ou outra equipe”, já que na visão da relatório também não foi marcado um pênalti a favor do Náutico aos 20 minutos do primeiro tempo, quando o goleiro Mota derrubou o meia Jean Carlos dentro da área. (DP/foto:Paulo Paiva)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Pesquisa investiga transmissão de Covid-19 entre homens e animais

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) quer saber qual o risco de transmissão da Covid-19…