Sento Sé (BA): Comunidades relatam problemas provocados pela instalação de empresa mineradora; veja o vídeo

Com o processo de instalação de uma empresa de Mineração, iniciado no segundo semestre do 2020, as comunidades ribeirinhas e de fundo de pasto, localizadas próximas a Serra da Bicuda em Sento Sé (BA), já sentem os transtornos provocados pela entrada do empreendimento no território tradicional. Desmatamento, explosões e estragos em estradas já fazem parte da realidade da população local.

Apesar das denúncias e protestos realizados pelas comunidades tradicionais contra a implantação da mineração e violação de direitos por parte da empresa, o projeto minerário segue a todo vapor. No início desta semana, a companhia australiana divulgou na imprensa que pretende começar a extração mineral no segundo trimestre deste ano, com capacidade de produção de 400 toneladas de minério de ferro por hora.

Sofrimento

Enquanto isso, as cerca de 2.000 famílias das 11 comunidades que vivem ao redor da Serra e ao lado do rio São Francisco seguem sem ser consultadas e informadas devidamente sobre o empreendimento, o que desrespeita o que é previsto na legislação.

Impactos

Apesar da extração de minério ainda não ter começado, as famílias de trabalhadores/as rurais e pescadores/as já sentem os impactos de ter uma mineradora no local. Os transtornos vão desde a mudança na vida social, com o trânsito de pessoas de fora nas comunidades e ameaças à livre locomoção dentro do território, até impactos ambientais mais visíveis. No vídeo abaixo, é possível ver que parte da caatinga já foi desmatada.

Retirada da vegetação nativa

De acordo com os moradores locais, os prejuízos causados pela retirada da vegetação nativa foram sentidos logo após as primeiras chuvas que aconteceram, ainda em novembro do ano passado. A estrada que dá acesso às comunidades Tombador, Retiro de Baixo e Retiro de Cima, entre outras, não aguentou a pressão da água e foi partida ao meio.

Explosões

No início deste mês de fevereiro, outro problema passou a preocupar a população: as explosões. “Até agora a gente só tem visto impacto negativo. Tem acontecido algumas explosões, as pessoas estão ficando assustadas, algumas já relataram que o chão se treme todo, faz uma grande fumaça”, relata Wellington Oliveira, integrante da Comissão “Todos pela Vida”, que reúne representantes das comunidades atingidas.

Texto: Comunicação CPT Juazeiro / Fotos e vídeos: Moradores locais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Juazeiro (BA): Veja o que abre e o que fecha após novo decreto do Governo da Bahia

A partir de segunda-feira (8) até as 5h de quarta-feira (10), apenas os serviços essenciai…