Secretaria de Saúde de Juazeiro (BA) se pronuncia sobre caso de mulher que teve órgãos perfurados na Maternidade

Deliane Feitosa da Silva sofreu um aborto espontâneo há pouco mais de um mês e deu entrada na Maternidade de Juazeiro (BA) para fazer uma curetagem, procedimento utilizado para a raspagem da cavidade uterina, que normalmente é realizado para retirar os restos placentários. No entanto, a situação se agravou após a intervenção médica.

De acordo com a familiares, ela passou por passou por seis cirurgias no abdômen. Em algumas, os pontos se romperam, o que complicou ainda mais a situação. A mulher está entubada, em estado considerado grave.

Lindinalva Simplício, sogra de Deliane, disse que, ainda acordada, a mulher conversou com a médica e foi informada que o furo ocasionado no útero não causaria incômodo.

“Ela mesma disse que a médica falou que havia feito um pequeno furo no útero dela. Ela perguntou à médica se morreria com isso. E ela [a médica] disse que não. Que era uma coisa tão pequena que só sentiria cólicas”, comentou.

Da maternidade, a mulher foi transferida para um hospital de Petrolina (PE). No entanto, foi encaminhada ao Hospital Regional de Juazeiro. Lá, ela passou por uma cirurgia para retirada do útero, ovários e trompas uterinas.

De acordo com a família, foram identificadas também perfurações no intestino grosso e em uma parte do pulmão.

“Foram retirados porque estava muito infeccionado devido ao tempo que fezes estavam no lugar que não era para estar”, acrescentou Lindinalva.

O secretário da Saúde de Juazeiro, Fernando Costa, disse que a prefeitura vai apurar toda a situação e ouvir a equipe médica envolvida nos procedimentos que resultaram na internação da mulher.

“Vamos apurar o prontuário. Temos um diretor médico que vai buscar todas as informações. Temos que lembrar que ela teve passagem por mais dois hospitais. Vamos pegar a situação clínica que ela se encontra hoje, como também tudo que aconteceu e vamos apurar.

Fechado para comentários

Veja também

Codevasf: empresa de jovem de 21 anos fecha contrato de R$ 62 milhões, e CGU aponta risco de sobrepreço

Os contratos da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Cod…