Secretaria de Saúde da Bahia alerta para bactérias resistentes em três hospitais de Salvador

Enterococcus resistentes à vancomicina. Essa bactéria, altamente adaptada ao ambiente hospitalar, já se encontra em Salvador e segue preocupando especialistas por conta da dificuldade em seu combate. Segundo a nota técnica divulgada pelo Núcleo Estadual de Controle de Infecção Hospitalar, da secretaria de saúde da Bahia (Sesab), três hospitais de Salvador já tiveram casos entre janeiro e março de 2022.

Os hábitos durante a pandemia da Covid-19 podem ter sido preponderantes na disseminação de microrganismos resistentes aos antimicrobianos nos serviços de saúde. Elas podem sobreviver em superfícies inanimadas por longos períodos. Já, em seres humanos e em outros animais, compõem a microbiota dos tratos gastrintestinal e geniturinário, além da cavidade oral, segundo a Sesab.

A infectologista Clarissa Cerqueira apontou que, na Bahia, a frequência da bactéria era reduzida. “O enterococo pode colonizar o trato intestinal, geralmente as pessoas já tem no intestino. Essa bactéria já é resistente a alguns antibióticos. Com certeza, estamos vendo mais resistência na comunidade por conta disso. As pessoas passaram a usar muito antibiótico, as pessoas já têm essa bactéria em geral”, explicou ao Bahia Notícias.

“Existe, só que a gente considera em pacientes hospitalizados. A resistência no ambiente hospitalar que temos que proteger. Ele pode ser mais danoso para pessoas que tenham acesso central, que esteja intubado, para pacientes hospitalizados é um perigo maior. Para a comunidade não isolamos, não precisa deixar isolado. Mas no hospital precisa. Um profissional que não faz precaução de forma adequada, o paciente está com acesso. Aumenta tempo de internação, morbidade e mortalidade”, comentou.

De acordo com a Portaria Estadual nº 1589/2010, e da Nota Técnica NECIH/ COVIM/ DIVISA Nº 02/ 2019 que trata das Medidas de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde por Microrganismos Multirresistentes em Serviços de Saúde do Estado da Bahia, o estado pede para que medidas sejam direcionadas para o controle das cepas de Enterococcus sp Resistentes à vancomicina, dada a importância epidemiológica e a magnitude deste problema de saúde pública.

Entre as medidas estão: aplicar precaução de contato em situações de surto; higiene das mãos e capacitação/educação em higiene das mãos para aplicação da estratégia multimodal recomendada pela OMS. Além disso estão a necessidade de auditoria interna e retorno dos resultados do monitoramento para as unidades assistenciais como forma de melhorar a adesão dos profissionais. (Bahia Notícias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Portaria dispensa uso de máscara nas unidades do INSS

Foi publicada nesta terça-feira (24), no Diário Oficial da União, a portaria que dispensa …