Saúde e sustentabilidade marcam história de sucesso cooperativista no Vale do São Francisco

Quando Francisco, Mádia e Luzivanda resolveram olhar na mesma direção e ajudar a construir uma cooperativa médica às margens do grande Rio São Francisco, eles nem imaginavam o tamanho do sonho que estavam sonhando juntos.

Com uma história de três décadas dedicadas à promoção da vida e ao cuidado da saúde das pessoas, a Unimed Vale do São Francisco é considerada hoje líder de mercado e responsável pelo maior aporte de recursos no sistema de saúde da região. Uma eficiente e moderna estrutura com uma equipe de 506 médicos cooperados em diversas especialidades, atendendo com excelência e segurança mais de 70 mil beneficiários. A cooperativa gera 1.100 empregados diretos e 300 empregos indiretos e a rede de atendimento inclui hospitais, clínicas e laboratórios credenciados, além dos serviços próprios de dois hospitais (Petrolina – PE e Juazeiro – BA), um laboratório que é referência em processamento de exames, centro de diagnóstico, uma clínica de fisioterapia, Unidor (clínica para tratamento de dores crônicas), e o novo Núcleo de Terapias (NTU), para atendimento a pacientes pediátricos de 0 a 12 anos com Transtorno do Espectro Autista – TEA, inaugurado recentemente.

Colocando a região entre os centros médicos mais avançados do País, a Unimed Vale do São Francisco tem realizado procedimentos inéditos a exemplo da primeira Angioplastia de Oclusão Coronária Crônica (CTO), além de tratamentos de doenças congênitas e valvulares e um implante Transcater de Válvula Aórtica (TAVI), executados com pleno êxito no Hospital Unimed de Petrolina, a maior e mais completa unidade hospitalar do Vale.

Como resposta pela primazia e sustentabilidade e com uma vitalidade econômica financeira que hoje é exemplo em todo Brasil, a entidade conquistou o Selo Prata em 2019 e o Selo Ouro em 2021 de um dos mais importantes prêmios do cooperativismo brasileiro: ‘SomosCoop Excelência em Gestão’, promovido pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP), em reconhecimento as boas práticas de gestão e governança.

Desafios

Mas, o caminho do progresso não foi rápido nem muito menos fácil. Muitos foram os obstáculos contornados e os desafios vencidos desde a criação da cooperativa, em 1991, quando um grupo de pouco mais de 100 médicos decidiu juntar as Unimeds Petrolina e São Francisco, da vizinha cidade de Juazeiro, que já funcionava desde 1989, formando assim a Unimed Vale do São Francisco. A nova operadora de planos de saúde, que começou os trabalhos com 12 mil clientes e passou bastante tempo na dependência de terceiros para a prestação dos serviços médicos, vivenciou sérios problemas de inadimplência, autuações e acúmulo de débitos a exemplo de uma dívida tributária que chegou a R$ 19 milhões.

De acordo com o diretor presidente do Conselho de Administração da Unimed Vale do São Francisco, Francisco Otaviano, a situação da operadora em 2004, quando assumiu o primeiro dos cinco mandatos, juntamente com os diretores Francisco Aires (Comercial e Marketing), Luiz Gustavo (Administrativo) e Carlos Tadeu (Financeiro), era muito difícil e bastante preocupante. “Encontramos uma cooperativa médica com muitos conflitos e dificuldades para com os seus associados médicos, prestadores de serviço hospitalar, laboratórios e também com a rede de intercâmbio com as outras Unimeds do Brasil”, lembra.

Apaixonado pelo cooperativismo e com passagens pela administração de dois hospitais na região, o médico ginecologista e obstetra Francisco, lembra que um dos momentos mais marcantes nestes 18 anos à frente dos destinos da operadora foi quando, na realização do balanço de 2004, os 140 médicos cooperados aceitaram ratear uma perda de R$ 865 mil para a recuperação econômica e financeira da cooperativa. “Hoje, feitas as devidas correções, representa uma verdadeira fábula”, pontuou o presidente que também é conselheiro fiscal da Unimed Brasil e da Federação das Unimeds da Bahia, além de diretor superintendente da Federação das Unimeds de Pernambuco.

Tenacidade

Um ano depois, outro episódio marcou a história de tenacidade e determinação dos cooperados da Unimed Vale do São Francisco. Com uma proposta de criação de um plano de saúde próprio os dois principais hospitais de Petrolina se unem e pedem descredenciamento conjunto da cooperativa médica. As dificuldades geradas com a suspensão do atendimento aos clientes surtiram o efeito de uma bomba para uma estrutura que ainda não tinha nenhum serviço próprio. Depois de muito diálogo, e até a assinatura de um termo de ajuste de conduta firmado junto ao Ministério Público, foi restabelecido o atendimento nos dois hospitais.

Passada a tempestade, vieram os passos iniciais para construção da sede própria onde começaram a funcionar as primeiras unidades de prestação de serviços com a marca Unimed. Em paralelo, o sentimento de ter um hospital próprio foi amadurecendo no peito dos cooperados até que em 2010 a operadora entregou à comunidade sanfranciscana o Hospital Unimed de Juazeiro e oito anos depois inaugurou o Hospital Unimed de Petrolina. Duas modernas unidades hospitalares edificadas com recursos da própria cooperativa que hoje não possui nenhuma dívida tributária. “Tudo isso é fruto do trabalho de uma equipe coesa, da continuidade de uma diretoria que estuda junto, empreende unida e busca em harmonia compreender os mais diversos aspectos que envolve esse ramo de negócio”, ressaltou o presidente.

E assim como Francisco, Mádia Cecília também traz na sua história as letras todas da palavra cooperar, da essência do coletivo, do que se faz junto, do que é capaz de unir, mover e fazer abraçar um objetivo comum. Médica clínica cooperada e coordenadora da Auditoria Médica, que começou na Unimed Vale do São Francisco há 23 anos, “por acreditar nesse modelo que transforma habilidades individuais em resultados coletivos”, ela define a entidade como uma organização transparente onde os médicos cooperados contam com uma força laborativa, são os donos do negócio e têm voz ativa nas decisões e resultados apresentados pela organização.

Capacitação

Destacando a política de capacitação e atualização, ela enfatiza os cursos e treinamentos que são oferecidos constantemente aos cooperados nas áreas de cada especialidade médica e no segmento de educação cooperativista. “Hoje, também conseguimos alguns benefícios a exemplo de um plano de saúde master sem custos para o cooperado e com descontos generosos para os dependentes além de um seguro Serit (Seguro de Renda por Incapacidade Temporária), que está sendo bastante oportuno agora durante a pandemia da Covid – 19”, avaliou Mádia.

A médica cooperada também lembrou o período desafiador vivenciado durante a pandemia, recordando a Moção de Aplausos concedida pela Câmara de Vereadores de Petrolina pelo desempenho da equipe do Hospital Unimed de Petrolina como referência nacional no combate à Covid – 19. Votada por unanimidade em junho de 2021, a honraria, “se justifica pelo trabalho do hospital que vem apresentando um índice de mortalidade de 13,4%, bem abaixo da média nacional que foi de 39,3%, no último mês de abril. Índices divulgados pelo site de Registro Nacional de Terapia Intensiva (Epimed Monitor)”, conforme assinalou o autor do requerimento, vereador Cesar Durando (DEM).

Apesar de todas as dificuldades impostas pela pandemia, a cooperativa concluiu o ano de 2020 comemorando uma conquista dupla: o Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade 2020, na categoria Ouro e o Selo Hospital Unimed de Sustentabilidade 2020, na categoria Prata para o Hospital Unimed de Petrolina. Certificações de reconhecimento que refletem o engajamento das equipes e a consolidação do espírito cooperativista na promoção do crescimento sustentável do Sistema Unimed, o maior sistema cooperativista de trabalho médico do mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil.

Valorização

Também conhecida pelas oportunidades criadas para o crescimento profissional dos colaboradores, a Unimed Vale do São Francisco, segundo a gerente de Relacionamento com Cooperados, Luzivanda Ferraz, além de gerar muitos empregos diretos e indiretos, valoriza cada um dos seus funcionários, estimulando o desenvolvimento pessoal através do reconhecimento dos esforços e das conquistas. Na cooperativa desde 2001, ela começou como secretária executiva e depois de contribuir com o setor de Relacionamento com Cooperados foi promovida a gerente.

“Participei de uma transformação incrível da cooperativa e hoje faço parte da turma de Pós-Graduação em Práticas de Gestão em Cooperativas de Saúde com enfoque na RN nº 452 e de iniciativas exitosas como o Programa de Desenvolvimento da Gestão das Cooperativas (PDGC), Selo de Sustentabilidade, RN 443, parto adequado, gestão da qualidade entre outros”, enumerou. Luzivanda agradeceu a ampliação dos espaços e a crescente participação feminina em cargos relevantes e com poder de decisão nos mais variados setores da operadora. “Aqui os valores do cooperativismo são devidamente pautados pela ideia de democracia, liberdade, equidade, justiça social e solidariedade”.

Ela evidenciou ainda a responsabilidade social da cooperativa a partir da realização de campanhas e projetos em prol da comunidade a exemplo do Cooperar tá no Sangue (doação de sangue e cadastro medula óssea), Natal Solidário e o Arraiá Solidário, que arrecadam e doam cestas básicas e materiais de higiene pessoal para inúmeras entidades filantrópicas de Petrolina e Juazeiro.

Com foco nas novidades tecnológicas e preparando os passos seguintes com bastante equilíbrio e soluções inovadoras, a Unimed Vale do São Francisco tem muitos planos para o futuro. A diretoria da cooperativa adquiriu um terreno de três mil metros quadrados em Petrolina e vai construir uma nova unidade para funcionamento de laboratório, unidade de terapias e de Atenção básica à Saúde (ABS).

Então, é assim que a Unimed Vale do São Francisco caminha, avançando a passos largos e reafirmando a história de sucesso do cooperativismo que é a própria lição diária de muitos Franciscos, Mádias e Luzivandas. Gente que de mãos dadas e olhar no futuro ajuda a construir essa organização confiável, moderna e sólida que vem aprimorando os programas de atenção à saúde e transformando desafios em oportunidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Morre Padre Reginaldo Veloso, autor de músicas da liturgia cantadas nas dioceses de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA)

O padre Reginaldo Veloso morreu aos 84 anos, no Recife. A morte aconteceu na noite da quin…