Quase 60% da vegetação do Alto São Francisco já foi devastada

1

devastada

De acordo com os dados preliminares da Nemus Consultoria, empresa contratada pelo Comitê do São Francisco para atualização do Plano de Recursos Hdricos da bacia do Velho Chico, cerca de 59% das áreas vegetais nativas do Alto São Francisco já foram devastadas. “O desmatamento total das áreas vegetais cresce a cada dia e está em mais de 47%, sendo que a região do Baixo aparece como a área mais desmatada da bacia”, afirmou o mestre em Geografia Agrária, Silvio Machado, que apresentou os dados durante a oficina setorial sobre agricultura que ocorreu na última quinta-feira (07.05), na cidade de Patos de Minas (MG), no Alto São Francisco. O evento faz parte do processo de atualização do Plano de Recursos Hídricos do Velho Chico.

Considerando toda a bacia do São Francisco, no que se refere à agricultura, milho, cana de açúcar, soja e feijão são os produtos de maior cultivo. Especificamente na região do Alto predomina o milho, sendo que a cana de açúcar tem sua produção ampliada a cada ano. A demanda hídrica para a irrigação em toda a bacia também aumentou de 69% para 77% entre 2002 e 2010. Já no Alto São Francisco o crescimento foi de 18% para 30% e observa-se que, diferentemente de outras regiões, há um equilíbrio no uso porque as outorgas estão divididas principalmente entre abastecimento urbano, indústria e mineração.

Sobre a questão das outorgas, discutiu-se no encontro que uma das preocupações da população, exposta pela Nemus, é a captação irregular das águas. “Desburocratização e maior agilidade nos processos de concessão de outorgas, além de intensificação nas fiscalizações dos usos irregulares são algumas das sugestões para melhorar a situação do uso da água”, disse o promotor do Ministério Público de Minas Gerais, Marcelo Azevedo Maffra, que participou da oficina.

Instituições do poder público municipal e da sociedade civil organizada também estiveram presentes ao encontro, que teve o apoio local do membro do Comitê do São Francisco Wilson José da Silva, que fez a abertura da oficina, conduzida pelo engenheiro ambiental e representante da Nemus Emiliano Santiago. O encontro contou com a presença também de Adson Roberto Ribeiro e Antonio José Rocha, também membros do CBHSF. Compareceu ainda a diretora de integração da agência delegatária do Comitê, AGB Peixe Vivo, Ana Cristina da Silveira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Homem tenta fugir mas é preso com droga e faca no bairro Mandacaru, em Petrolina (PE)

Um homem, que não teve o nome divulgado, foi preso durante rondas ostensivas de policiais …