Prefeitura de Petrolina afirma que existem profissionais suficientes para atender estudantes autistas

0

Depois que um grupo de mães que fazem parte da Associação de Amigos de Autistas do Vale do São Francisco (AAMAVASF) denunciarem os prejuízos da substituição de auxiliares de aluno autista por assistentes de crianças, a Prefeitura de Petrolina afirma em nota que existem profissionais suficientes para atender a demanda de estudantes; Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura de Petrolina compreende a preocupação dos pais e a importância do vínculo entre os estudantes e os profissionais no ambiente escolar e esclarece que todos os 255 estudantes autistas matriculados nas escolas e CMEIs da rede municipal de ensino estão sendo atendidos por auxiliares de autistas, contratados através de seleção temporária de 2018.

Trinta auxiliares de autista tiveram contratos encerrados – devido ao prazo legal de 2 anos iniciados em 2017- contudo, existem profissionais suficientes para atender à demanda. Com mais de 500 criancas especiais matriculadas na rede municipal, Petrolina é um dos poucos municípios a contar com um Núcleo de Apoio Psicopedagógico às Pessoas com Deficiência (NAPPNE) que realiza formações continuadas para garantir atendimento qualificado.

Para fortalecer essa inclusão, a prefeitura vai capacitar os novos assistentes educacionais que estão sendo convocados na seleção temporária. Nos próximos dias equipes do NAPPNE também se reunirão com os pais para esclarecer dúvidas. Outra orientação do prefeito Miguel Coelho são reuniões entre a Secretaria de Educação e as Associações de pais de crianças com autismo e outras necessidades especiais para que uma política de permanência seja aplicada e assim melhore o atendimento aos alunos com alguma necessidade especial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Regularização fundiária: encontro tira dúvidas de mais de 500 moradores do bairro João de Deus em Petrolina

O Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) do João de Deus ficou lotado. Mais de …