Petrolina (PE): Hospital Universitário atendeu 2.530 vítimas de acidentes de trânsito no primeiro quadrimestre de 2021

‘Respeito e responsabilidade. Pratique no trânsito’ é o mote do Maio Amarelo para 2021, movimento que o HU-Univasf/Ebserh está apoiando, por mais um ano, e que tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Por atender uma grande quantidade de vítimas envolvidas em acidentes desta natureza, é fundamental reforçar o alerta à população sobre as consequências destas ocorrências.

Somente de janeiro a abril deste ano, o HU-Univasf atendeu 2.530 vítimas de acidentes de trânsito. No mesmo período de 2020, foram 2.351 pacientes. A maior parte dos acidentes continuam acontecendo aos finais de semana e os fatores mais associados são a ausência de habilitação e de capacete, bem como o uso de bebida alcoólica por parte dos condutores dos veículos.

“Os acidentes envolvendo motociclistas são predominantes, seguidos dos relacionados à bicicleta como meio de locomoção, apresentando variadas gravidades de lesões, desde as mais leves, a exemplo de escoriações, até as mais graves, que necessitam de intervenção cirúrgica e maior tempo de internação, além de reabilitação”, ressalta a chefe da Unidade de Vigilância em Saúde do HU, Daniely Figueiredo.

Os números totais dos anos anteriores impressionam:

2020

2019

Total de vítimas de acidentes de trânsito atendidas no HU-Univasf

7.033

8.315

Pacientes que utilizavam motocicleta no momento do acidente

5.265

6.105

Fonte: Sistema de Informação sobre Acidentes de Transporte Terrestre (Sinatt)

As repercussões socioeconômicas dos acidentes de trânsito são preocupantes: mais de 50% das vítimas compõem a população em idade ativa, o que impacta diretamente na manutenção de rendas familiares quando há sequelas, em muitos casos. Além disso, de acordo com o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), os acidentes geram um custo médio de mais de R$ 50 bilhões por ano para o Sistema Único de Saúde (SUS), estendendo o problema para toda a sociedade.

Ao longo do mês, informações sobre o movimento serão compartilhadas através das mídias sociais do HU e pautas serão articuladas junto a outros meios de comunicação visando a ampliação da reflexão sobre os impactos deste prejudicial cenário que já é considerado uma epidemia, não só no Vale do São Francisco, mas em todo o país.(HU)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Juazeirense empata fora de casa contra o Bahia de Feira

A Juazeirense foi até a cidade de Feira de Santana para disputar a terceira rodada da Séri…