Petrolina (PE): AGE financia agricultores familiares para implantação de projeto ‘Sisteminha’

Agricultores familiares de Petrolina agora poderão contar com financiamentos da Agência Municipal do Empreendedor (AGE), instituição ligada à prefeitura, para implantar unidades demonstrativas de um sistema integrado para produção de alimentos, o ‘Sisteminha’. A ideia é estimular o cultivo de alimentos orgânicos e fomentar a geração de renda para esses trabalhadores.

O ‘Sisteminha’ foi elaborado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e difundido na região pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Agora, os agricultores familiares poderão contar com linhas de financiamento da AGE para implantação dessas unidades demonstrativas em suas propriedades.

Para a agricultora familiar do Assentamento Gavião, Elizete dos Santos, o financiamento será uma ótima oportunidade para realizar o sonho de ter sua renda própria. “Hoje vivo no assentamento e não tenho renda fixa, sobrevivo de uma pequena horta. Com esse financiamento da AGE tenho certeza que vai melhorar demais a vida da gente. Vai ser uma bênção porque agora terei como sobreviver melhor e de minha própria produção”, celebrou a agricultora.

“A AGE apoiará os trabalhadores da agricultura familiar concedendo linhas de crédito para que possam, em pouco tempo, ter uma produção animal e vegetal, não somente para um consumo mais saudável de sua família, mas também poder comercializar os produtos excedentes, que são totalmente orgânicos de qualidade, em feiras e minimercados, por exemplo, o que lhes proporcionará um valor estimado em R$ 2.300,00 por mês em sua renda familiar”, ressaltou o diretor-presidente da AGE, Sebastião Amorim.

*Sisteminha*

Numa área de até 0,2 hectares o agricultor pode instalar o projeto pensado especialmente para cultura de alimentos de consumo próprio como também destinar à venda toda a produção excedente. A ideia consiste na utilização, através de um sistema simplificado de abastecimento, da água fertirrigada excedente de um tanque para criação de peixes com capacidade de 50 mil litros. Com o uso dessa água é possível manter hortas (hortaliças e ervas medicinais), lavouras em área escalonada das mais variadas culturas como acerola, caju, limão, manga, banana, mamão, coco, mandioca, milho, feijão e palma.

Além disso, os agricultores são estimulados a destinarem áreas para criação de galinhas para postura de ovos e frangos para abate; porcos, caprinos e ovinos, porquinhos-da-índia, meliponário para produção de mel de abelha sem ferrão e local de compostagem. Todo o sistema é autossustentável e não demanda grandes hectares de terra para trazer ótimos resultados. (ascom)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Covid-19: Ministério Público prepara carta para a CBF recomendando suspensão do futebol no Brasil

O Ministério Público vai recomendar à CBF a suspensão de todas as partidas de futebol no B…