Pesquisa de egressa da Univasf recebe prêmio da Associação Brasileira de Antropologia

Um estudo sobre a relação entre o surgimento das primeiras prisões do Brasil e os interesses políticos e econômicos da classe dominante do século XIX. Assim é o trabalho da egressa do curso de Licenciatura em Ciências Sociais da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) Izabel Castro, premiado com menção honrosa durante a 32º Reunião Brasileira de Antropologia, promovida pela Associação Brasileira de Antropologia (ABA). O artigo, intitulado “Punição e controle social no Século XIX: uma análise histórica-antropológica dos Annaes do Parlamento Brazileiro e do Código Criminal de 1830”, foi submetido ao IX Prêmio Antropologia e Direitos Humanos, na categoria Graduação.

O artigo é fruto do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Izabel, defendido em fevereiro deste ano, sob orientação do professor do Colegiado de Ciências Sociais da Univasf Adalton Marques. A escolha por realizar a pesquisa sobre cárcere se deu através da união do interesse da egressa pelo tema desde o ano de 2017, quando estagiou, como licencianda, no conjunto penal de Juazeiro (BA), e o estímulo recebido pelo seu orientador, para que buscassem compreender o sistema carcerário estruturalmente.

A cientista social explica que, assim, a dupla optou por fazer um trabalho com uma análise aprofundada deste sistema. “Não nos era suficiente falar do encarceramento somente dizendo o que ele é na atualidade, mas é necessário analisar como esse processo aconteceu e acontece, o que nos possibilita entender como nos tornamos o que somos, atualmente”, afirma.

A pesquisa analisa a criação do Código Criminal de 1830, que estabeleceu a prisão como novo tipo de pena por crimes no país. Segundo o estudo, esta criação está relacionada ao controle das classes populares e foi instituída como uma forma de controlar as pessoas empobrecidas, sem propriedades rurais, que não eram escravas e não podiam ser submetidas às práticas disciplinares das grandes fazendas, como o chicote e o tronco. Segundo a análise, isso se deu com o intuito de manter a ordem econômica da época, que era baseada no abastecimento do mercado externo, especialmente europeu, e no uso de mão de obra escravizada. Além disso, o trabalho destaca as relações entre os problemas do sistema prisional presentes em sua criação e nos tempos atuais e, assim, constata que algumas situações, como o encarceramento massivo e a seletividade penal, fazem parte, na verdade, do aparato repressivo prisional.

Para Izabel Castro, receber a premiação foi uma surpresa e uma grande conquista. “Ainda estou impactada, mas extremamente feliz com a menção honrosa, especialmente pela importância da Associação Brasileira de Antropologia (ABA). A meu ver, isso significa que, apesar das dificuldades em se fazer pesquisa no Brasil, sobretudo na área de humanas, estamos no caminho certo, promissor. E, evidentemente, é mais um estímulo para que eu persista nessa área, um ânimo para a caminhada”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Após medalha de Rayssa nas Olimpíadas de Tóquio, deputado quer crianças de 13 anos trabalhando

Depois da vitória da skatista Rayssa Leal, de 13 anos, nas Olimpíadas de Tóquio, o deputad…