Pernambuco é o estado com menor diminuição na expectativa de vida, aponta pesquisa de Harvard

Pernambuco foi o estado brasileiro com a menor diminuição na expectativa de vida média de seus cidadãos, quando analisadas as taxas de mortalidade entre os meses de janeiro e abril de 2021. A estimativa faz parte de artigo publicado na terça-feira (29) pela revista científica britânica Nature. A análise, liderada pela demógrafa brasileira e professora da Universidade de Harvard Marcia Castro, avalia os impactos dos óbitos provocados pela Covid-19 na longevidade dos brasileiros.

De acordo com o estudo, Pernambuco observou um decréscimo na expectativa de vida ao nascer de 0,78 ano. Na análise por sexo, a queda foi de 0,78 para homens e 0,76 para mulheres. O segundo estado com a menor redução foi Alagoas (1,01 ano). A média do Brasil ficou em 1,78 ano (1,86 masculino e 1,64 feminino). A pesquisa também projetou a expectativa de vida aos 65 anos, indicando uma redução de 1,5 ano no Brasil. Nesse extrato, Pernambuco também apresentou a menor alteração, com 0,46 ano, seguido novamente por Alagoas, com 0,58 ano.

“A explicação para isso ter acontecido em Pernambuco e, de maneira geral, nos Estados do Nordeste, a própria publicação deixa claro: os governos locais caminharam na direção oposta das recomendações do presidente da República. Termos retomado as medidas restritivas ainda em dezembro do ano passado, nosso investimento na abertura de leitos e o avanço da vacinação foram uma combinação de ações que nos fizeram alcançar esse resultado”, disse o governador Paulo Câmara (PSB).

Para o secretário estadual de Saúde, André Longo, os dados dialogam com as ações tomadas pelo estado ao longo da pandemia. “Somos o Estado com a maior rede de UTI do Norte, Nordeste e Centro-Oeste para assistência aos pacientes acometidos pelo novo coronavírus, e a sexta maior do País. A ampliação e qualificação dessa rede, as medidas restritivas e as etapas do plano de convivência foram decisivas para que pudéssemos salvar vidas”, afirmou Longo, que continuou. “Essa é uma batalha ainda em curso. Nós continuamos vigilantes e tomando as medidas cabíveis para evitar novos adoecimentos”.

Atualmente, a ocupação de leitos de UTI no estado é de 71%, menor índice registrado desde novembro do ano passado, de acordo com o governo do estado. “O número de pessoas em leitos de terapia intensiva recuou para o mesmo patamar de 100 dias atrás, e não há fila de espera por assistência. Esses são dados importantes, que nos incentivam a seguir investindo, sobretudo na prevenção, para superarmos o desafio da Covid-19”, concluiu Câmara. (diariodepernambuco)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Máquina do Tempo: “Uma viagem ao passado através da música”