‘Não sou malvadão e não quero aumentar preço de nada’, diz Bolsonaro

Diante do avanço da inflação, principalmente dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (25) que não é “malvadão” e que não quer “aumentar o preço de nada”. Apesar disso, o presidente reconheceu, em entrevista a uma rádio do Mato Grosso do Sul, que devem ocorrer novos reajustes nos preços dos combustíveis.

“Alguns me criticam, o preço do combustível, o preço do gás. Eu não sou malvadão, eu não quero aumentar o preço de nada. Mas não posso interferir no mercado. Se pudesse, iriam dizer que eu queria interferir no preço da carne que vocês produzem no Mato Grosso do Sul”, afirmou Bolsonaro.

Em outro trecho da mesma entrevista, Bolsonaro afirmou que não é preciso ter “bola de cristal” para saber que haverá novos aumentos dos combustíveis no país.

“Está para ocorrer outro aumento do combustível. Porque isso daí não tem que ter bola de cristal, é só ver o preço do dólar aqui dentro e o preço do barril lá fora. A legislação garante à Petrobras esse reajuste imediato. E não há interferência minha nesse caso”, declarou.

Na entrevista, o presidente reafirmou que o governo deve lançar um programa social para pessoas de baixa renda que garanta ao menos R$ 400 por família.

O Auxílio Brasil deve substituir o Bolsa Família.

Referindo-se a apelos pela extensão do Auxílio Emergencial, Bolsonaro disse que o país atingiu o limite da sua capacidade de endividamento.

“A nossa capacidade de endividamento ultrapassou do limite, estamos no limite do limite. Vamos atender sim o pessoal do Bolsa Família –que agora se chama Auxílio Brasil, mudou de nome– com R$ 400 por mês e ponto final. É onde pudemos chegar. A média do Bolsa Família ainda é R$ 192, estamos dobrando este valor, fazendo o possível”, disse.

1 Comentário

  1. Gerlando Josimar de Souza

    25 de outubro de 2021 em 21:21

    O problema não estar no presidente, a culpa estar nos governadores que se uniram para prender a população em suas casa e soltar bandido. Os governadores que compraram aparelhos com super faturamento para combater a covid-19 e outros nem se quer fez isso como Eduardo Leite que gastou todo o dinheiro enviado pelo governo federal para pagar dívidas do estado e ainda fez chacota do povo dizendo que 60% da população que pegaria a comida iria morrer e que seria inútil investir em hospital de campanha.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Juazeiro (BA): APLB Sindicato exige da SEDUC celeridade no cumprimento de direitos garantidos aos trabalhadores em educação 

A APLB Sindicato emitiu nota para cobrar da Secretaria de Educação de Juazeiro (BA) celeri…