Mancha no rio São Francisco foi causada por invasão alga marinha, diz laudo

mancha

A mancha negra que polui o rio São Francisco foi causada pela microalga Dinoflagelados, que surgiu após liberação de sedimentos de uma barragem da Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco). O laudo foi apresentado nesta sexta-feira (17) pelo IMA (Instituto do Meio Ambiente de Alagoas) e confirma suspeita de que uma operação de limpeza na empresa federal causou o problema.

A boa notícia é que a mancha se dissipou um pouco nos últimos dias devido a um aumento temporário da vazão do rio São Francisco. Com isso, o abastecimento de água foi restabelecido nas cidades onde estava suspenso.

Na sexta-feira da semana passada (10), uma mancha com 25 km de extensão apareceu no rio entre os Estados de Sergipe e Alagoas. O problema levou a desabastecimento de cidades alagoanas e foi alvo de mobilização de órgãos ambientais regionais e federal.

Segundo o IMA, a Chesf teria jogado no rio sedimentos acumulados por cerca de 30 anos que estavam em um reservatório –o lago Belvedere, esvaziado no dia 22 de fevereiro para manutenção. O local fica no Complexo Apolônio Sales, que abastece a usina hidrelétrica de Paulo Afonso (BA).

O IMA informou que está levantando os prejuízos para definir o valor da multa a ser aplicada à Chesf.

A empresa federal ainda não se manifestou sobre o laudo, mas negou, anteriormente, que tenha causado o problema. “Todo o trabalho de operação das usinas e manejo dos reservatórios da Chesf são feitos com a autorização e fiscalização de órgãos como o Ibama e a Agência Nacional de Águas (ANA). Atualmente, devido à longa estiagem, o rio encontra-se com vazão mínima de 1.100m3/s, a partir da barragem de Sobradinho (BA) e de 1.000m3/s, na carga leve (durante a madrugada, domingos e feriados)”, disse.

A alga

Segundo o diretor do Laboratório do IMA, Manoel Messias do Santos, a microalga não tem o rio São Francisco como habitat natural, é típica de ambiente marinho e fica só na superfície da água. “Foi um fato atípico. Essa alga prolifera e retira o oxigênio da água, o que pode causar mortandade de peixes. Essa alga é mais nociva para peixes e crustáceos, que se alimentarem dela podem morrer”, explicou.

A microalga ainda contou com dois fatores que ajudaram a se proliferar: a alta incidência de sol e a seca do rio –que faz com que a água fica parada.

Santos afirmou que ainda não é possível explicar como essas microalgas chegaram ao reservatório de Paulo Afonso, mas não há dúvidas que ela vieram para o leito do rio por meio da operação de esvaziamento do lago.

“A tendência de uma barragem é que a água contenham nutrientes. E pela dinâmica dela, esses nutrientes vão sedimentando no fundo. Com o escoamento de água das suas barragens, com todo o movimento, a alga veio junto com a água com a liberação”, disse.

Volta do abastecimento

A Companhia de Saneamento de Alagoas informou que voltou a operar o Sistema Coletivo do Sertão, que havia sido suspenso na sexta-feira da semana passada por conta da poluição causada pela mancha.

Com isso, os moradores de Delmiro Gouveia, Olho D’água do Casado, Pariconha, Água Branca, Mata Grande, Canapi e Inhapi voltaram a receber água. Segundo a empresa, a normalização do abastecimento deve levar até uma semana.

Segundo o diretor de Operações da empresa, Jorge Briseno, a Chesf deverá arcar com os danos causados à empresa alagoana. “O prejuízo maior foi condenar 105 mil pessoas a ficar sem abastecimento por oito dias. A A Casal teve um prejuízo operacional de R$ 500 mil, sem contar despesa com carros-pipa, produtos químicos, recuperação do sistema, diária do pessoal que trabalhou até na madrugada. Vamos tentar administrativamente esse valor, e para isso já foi enviado ofício à Chesf. Caso não aceite, vamos entrar com ação na Justiça”, disse. (Foto Reprodução).

Fechado para comentários

Veja também

Aeroporto de Petrolina (PE) já recolheu mais de 100 objetos perdidos pelos passageiros desde março de 2022

A CCR Aeroportos, concessionária que administra o Aeroporto de Petrolina desde março deste…