Judocas de projeto de extensão da Univasf conquistam medalhas em competições nacionais e internacionais

Atletas de judô que integram o projeto de extensão ‘Treinos de Judô e Jiu-Jitsu para a Comunidade’, oferecido pelo Colegiado de Educação Física (Cefis) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), vêm se destacando nos cenários nacional e internacional da modalidade. A judoca Vivian Ramos participou, em novembro, de duas competições de judô na cidade equatoriana de Guayaquil e foi campeã do Campeonato Pan-Americano Sub-13 e ficou em terceiro lugar no Sul-Americano Sub-13. Também em novembro, Vivian e Tatiane dos Santos participaram dos Jogos Escolares da Juventude 2018, que aconteceram em Natal (RN), e trouxeram medalhas.

No período de 14 a 17 de novembro, a atleta da Seleção Brasileira de Judô Vivian Ramos, que tem 12 anos, conquistou algo inédito para a região do Vale do São Francisco. Vivian participou de quatro lutas no Pan-Americano Sub-13 (47kg). Venceu todas e conquistou medalha de ouro, depois de enfrentar as adversárias do Equador, Peru e Estados Unidos, no dia 15 de novembro. Dois dias depois, a judoca disputou o campeonato Sul-Americano. Foram três combates, duas vitórias e uma derrota contra representantes do Peru e Equador, que levaram a atleta ao terceiro lugar na competição.

Já os Jogos Escolares da Juventude reuniram em Natal, de 12 a 25 de novembro, cerca de 5 mil estudantes atletas de escolas públicas e privadas de todas as regiões do país. Petrolina foi representada por três judocas que treinam no projeto de extensão da Univasf: Vivian Ramos, Tatiane dos Santos e Júlia Silva. Vivian conquistou a medalha de prata na categoria leve (48kg), idade entre 12 e 14 anos. Tatiane dos Santos subiu ao pódio com a medalha de bronze na categoria feminino leve (52kg), faixa etária de 15 a 17 anos. Júlia Silva também competiu, mas não conseguiu classificação. As três atletas também fazem parte da Seleção Pernambucana de Judô.

O coordenador do projeto de extensão, professor Luiz Maduro, ressalta que os treinos esportivos oferecidos à comunidade representam uma maneira da Universidade dar retorno para a sociedade. Para Maduro, o projeto vem mostrando grandes potencialidades da região. “É importante tanto para os atletas como para os acadêmicos de Educação Física perceberem que a união da ciência do treinamento desportivo com a prática dá resultados e muda a vida das pessoas”, pontua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Pesquisa revela que cerca de 4 milhões de pessoas abandonaram os estudos no País durante a pandemia

Em 2020, ano marcado pelo novo coronavírus, quarentena e interrupção de aulas presenciais,…