Juazeiro (BA):Motociclista envolvido em acidente com ciclistas se defende de acusações e diz que foi agredido

Após a publicação da matéria sobre um acidente que ocorreu na noite desta quinta-feira (17), envolvendo um motociclista e um grupo de ciclistas que pedalava na Rodovia Salitre, em Juazeiro (BA), o acusado pelo atropelamento, Ednoelson da Silva, entrou em contato com o Blog Preto no Branco para dar sua versão sobre os fatos e explicar como tudo aconteceu.

Ao PNB, Ednoelson, que trabalha como entregador de bolos, e passa todos os dias pela rodovia se defendeu das acusações.

“Infelizmente, estão colocando minha imagens em blogs como se eu fosse culpado, mas eu estava trabalhando no serviço de delivery, entregando bolos. Eu estava na velocidade compatível com a via, e não tinha nenhuma sinalização ou escolta do setor responsável, avisando que estava acontecendo um evento com um grupo de ciclistas. Os ciclistas estavam na faixa da direita e entraram para o lado esquerdo, de repente. Eles não estavam na ciclovia que tem no local. Na hora, foi tudo muito rápido e não deu tempo de frear e acabei me chocando com dois ciclistas. Como eu não vinha em velocidade, não aconteceu o pior”, afirmou o trabalhador.

Muito abalado, ele disse ainda que foi agredido com alguns ciclistas que, em nenhum momento, quiseram saber se ele havia se ferido.

“Quando eu caí no chão, eles vieram me chutando, agredindo com o capacete, me xingando, chamando de irresponsável e até outros nomes que prefiro não repetir. Nenhum perguntou se eu estava ferido, se estava bem, e só me agrediam e falavam nos prejuízos materiais”, relatou Silva.

O trabalhador de delivery conta que ficou assustado, temendo até um linchamento, e que chegou a pedir para que os ciclistas parassem de o agredir.

“Pedi para pararem de me agredir, mas eles nem quiseram saber do meu estado de saúde e nem dos próprios colegas, só falavam do valor das bicicletas e do prejuízo que causei aos parceiros deles. Fui agredido fisicamente e psicologicamente, e ainda tenho que tentar me defender, porque o Boletim de Ocorrência não é suficiente. Graças a Deus a PM chegou logo, senão eu poderia até ser linchado. Sou um trabalhador, tenho 3 filhos, sou responsável e estava lutando pelo meu ganha pão. Não sou nenhum marginal”, desabafou o motociclista, que ainda frisou: “eu estava e estou com minha habilitação e o documento do veículo em dia, como sempre ando. Fiz exame toxicológico, não acusou nada. Não sou imprudente no trânsito”, se defendeu.

É importante destacar que, a Rodovia Salitre, em Juazeiro, no Norte da Bahia, onde aconteceu o acidente, é uma das poucas vias da cidade que possui faixa exclusiva para ciclistas, porém o comboio que transitava na noite de ontem (17) não estava fazendo uso do espaço destinado a eles, conforme informou o acusado.

O PNB também ouviu uma testemunha do acidente, que preferiu não se identificar. Ele procurou nossa redação para defender o motociclista, que segundo relatou “estava totalmente correto”.

“Ele estava totalmente correto. Transitava pela rodovia na velocidade certa, ao contrário do comboio de ciclistas que não estava utilizando a ciclovia e atravessou a pista de repente, não dando tempo para que o motociclista diminuísse a velocidade. Não foi imprudência do motociclista, se ele realmente estivesse em alta velocidade teria acontecido algo grave. Na verdade, o acidente envolveu ele e dois ciclistas, que foram os primeiros a cruzar a pista”, relatou a testemunha.

A testemunha também afirmou que os ciclistas foram agressivos e partiram para cima do motociclista. Ele ainda conta que ficou revoltado com o comportamento dos membros do grupo por não se preocuparam com o estado de saúde das pessoas envolvidas no acidente.

“Os ciclistas tentaram agredir o motociclista que estava no chão machucado. Eles não perguntaram e nem olharam para os ferimentos do entregador de bolos e nem dos próprios colegas ciclistas. Estavam mais preocupados com as peças das bicicletas e repetiam que eram mais caras que a moto do motociclista. Infelizmente, aconteceu esse acidente, mas o motociclista não teve culpa. Ele é um trabalhador que agora está impossibilitado de trabalhar por conta dos ferimentos causados no acidente e ainda está sendo pressionado pelos ciclistas a pagar os prejuízos causados nas bicicletas, sendo que ele também teve vários prejuízos”, frisou.

Após o acidente, o motorista prestou depoimento na Delegacia de Polícia e foi liberado. (Fonte: Blog Preto no Branco)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Petrolina (PE): Em resposta à cobrança de estudante, Guarda Civil Municipal diz que intensificará trabalho de segurança no entorno da Univasf

A Guarda Civil Municipal de Petrolina enviou uma nota em resposta à matéria publicada no b…