”Jamais esqueceremos o espetáculo do horror”, diz Barroso sobre ataques em 8 de janeiro

O Supremo Tribunal Federal (STF) abriu, nesta segunda-feira (8/1), a exposição Após 8 de janeiro: Reconstrução, memória e democracia, em alusão aos atos golpistas do ano passado, que culminaram na depredação dos prédios dos Três Poderes. Na abertura da mostra, o presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, disse que o país jamais esquecerá a destruição e a violência que sofreu.

“Tenho muita honra em recebê-los aqui no Supremo Tribunal Federal, um ano após o ataque às sedes dos três Poderes da República brasileira. Registro a presença dos ministros da Casa que puderam comparecer, bem como a presença de todas as autoridades e, com especial alegria, da ministra Rosa Weber, que liderou a reconstrução deste salão e dos outros ambientes do Tribunal, que foram profanados”, disse.

“Jamais esqueceremos o espetáculo do horror! E estamos aqui para manter viva a memória do episódio que remete ao país que não queremos. O país da intolerância, do desrespeito ao resultado eleitoral, da violência destrutiva contra as instituições. Um Brasil que não parece com o Brasil”, completou Barroso.

O evento começou às 14h e está dividido em três partes. Na primeira, foi colocado um som de registro sonoro de 8 de janeiro de 2023, quando o prédio foi vandalizado. Em seguida, o presidente da Corte exigiu um breve filme no plenário da Casa, em que foram mostrados os estragos causados pelos criminosos. Na sequência, os presentes foram convidados a conhecer a exposição no Hall dos Bustos do STF.

Barroso relatou o que aconteceu em 8 de janeiro de 2023

“Eram cerca de 8 horas da noite quando a ministra Rosa Weber e eu atravessamos as esquadrias destruídas da entrada do Tribunal e avistamos o espetáculo de horror à nossa frente. Estilhaços de vidros, retratos atirados ao chão, móveis depredados, o crucifixo arrancado da parede, a bancada do plenário pisoteada, o tapete queimado, água por todo lado, inscrições de ódio pelas paredes”, contou o presidente do STF.

“Um cenário de barbárie, motivado por uma animosidade que foi artificialmente cultivada por anos a fio. Extremistas que não velam pelas instituições, que não respeitam as pessoas, que não cultivam os valores da civilidade e da harmonia social. Vivem de inventar inimigos. Quixotes do mal”, avaliou.

O evento contou com a presença de ministros do STF, ministros dos outros tribunais superiores, do procurador-geral da República, Paulo Gonet, da vice-governadora do DF, Celina Leão, de autoridades, parlamentares e demais convidados. O ministro da Justiça, Flávio Dino, aprovado para uma cadeira no Supremo, também esteve presente.

A exposição será aberta ao público nesta terça-feira (9), das 13h às 17h, no térreo do Edifício-Sede.

A iniciativa tem o objetivo de lembrar a preservação da memória institucional do STF e mostra cenas que simbolizam a resistência do Judiciário.

Fechado para comentários

Veja também

Construtora Jotanunes esclarece sobre últimos acontecimentos envolvendo o empreendimento Vila Verde em Perolina (PE)

NOTA DE ESCLARECIMENTO Em virtude dos últimos acontecimentos envolvendo o empreendimento V…