Gênero musical ‘Brega’ será oficialmente reconhecido como manifestação cultural do Brasil

O deputado federal Clodoaldo Magalhães (PV/PE), líder do Partido Verde na Câmara, apresentou à Mesa Diretora da Casa um projeto de lei que visa reconhecer o brega, gênero musical característico do Nordeste e Norte, como manifestação cultural do Brasil. A iniciativa busca valorizar a representatividade dos fazedores de cultura que impulsionam não apenas a expressão artística, mas também a economia local.

O movimento brega surge como um fenômeno periférico e se consolida como gênero musical nas décadas de 60, em paralelo à Jovem Guarda. Com forte apelo popular, suas composições abordam desilusões amorosas e temas cotidianos. Apesar de seu sucesso, o ritmo enfrentou estigmas sociais, sendo associado, por vezes, ao mau gosto.

Em particular, no Recife, ícones como Reginaldo Rossi e Augusto César transcenderam diversas classes sociais, transformando o brega em um fenômeno cultural que reflete o cotidiano e as lutas das periferias.

O movimento, originado no Recife e no Pará, não apenas se consolidou como uma expressão cultural poderosa, mas também se tornou uma força econômica significativa. “O brega é democrático, ultrapassando barreiras sociais, econômicas e culturais. No Recife, Reginaldo Rossi e Augusto César são ícones que conquistaram diversas classes sociais. O brega ultrapassou as barreiras sociais, econômicas e culturais, passando a traduzir o cotidiano e a luta das periferias”, destacou Clodoaldo.

O brega movimenta uma ampla cadeia produtiva em todo o país, envolvendo estilistas, produtores, gravadoras de videoclipes, compositores, artistas e diversos outros profissionais. “O gênero musical cria centenas de empregos, direta e indiretamente, além de servir como catalisador para o comércio regional”, ressaltou o parlamentar autor do projeto.

Recentemente, a 30ª cerimônia anual do Prêmio Multishow de Música Brasileira, no Rio de Janeiro, introduziu a categoria ‘Brega e Arrocha do Ano’, porém, foi criticada por não incluir representantes do Recife entre os indicados. O vereador do Recife, Marco Aurélio Filho, que também é autor da lei que tornou o Movimento Brega patrimônio cultural do Recife, expressou sua preocupação nas redes sociais: “O Movimento Brega tem a cara e a força do recifense, é resistência.

Como Vereador e autor da Lei que tornou o Movimento Brega patrimônio cultural do Recife, não podemos permitir que apaguem nossa história. Prêmio Multishow, Respeita nosso Brega!”
Vale destacar que, tanto no Recife quanto no Pará, a legislação já reconhece a importância do brega como parte integrante do patrimônio cultural e imaterial. O Projeto de Lei nº 01/2021, apresentado pelo vereador Marco Aurélio Filho, foi sancionado pelo então Prefeito João Campos, tornando o “Movimento Brega” Patrimônio Cultural e Imaterial do Recife em 2021, enquanto a Lei nº 9.310/20215 no Pará reconheceu o “ritmo brega” e suas diversas subdivisões musicais.

Fechado para comentários

Veja também

Jogos Olímpicos: Seleção Brasileira Feminina de futebol vence a Nigéria em sua estreia

Nesta quinta-feira (25), a Seleção Brasileira Feminina marcou a estreia do futebol feminin…