Garoto de 6 anos tem “grave alergia à proteína do leite da vaca”e médicos não sabem solucionar caso, alega mãe

1

Maria Tânia Coelho da Silva, 36 anos tem um filho de 6 anos, João Pedro Rodrigues Coelho que tem uma grave alergia à proteína do leite de vaca. As reações são vastas: febre, diarreia e as vezes as reações não são iguais e teve sintoma de anafilaxia (lesões de peles, nariz congestionado, reações ao mesmo tempo). Nada de produtos de limpeza ou beleza e até alimentos derivados dessa proteína não são consumidos pela família. Tânia teve que aprender a estabilizar a situação do seu filho para não acontecer o pior.

“Ele as vezes vomita em jato, tem crises de asma. Uma vez uma médica de Fortaleza diluiu em dez litros de água, uma gota de leite e meu filho teve reação, e a profissional disse que é o caso mais grave que já viu, é preciso dessensibilizar ele e desde que ele nasceu que percebi essa gravidade, só o olhar de mãe que detecta, tenho um laudo também do hospital das clínicas e uma médica renomada indicou que ele ande em carro exclusivo para evitar contato com pessoas que consomem proteína do leite da vaca, ele não estuda por cauda dessa grave alergia, o grau da doença no meu filho é único, mas já perdi um irmão que tomou leite de cabra há 40 anos e morreu, ele tinha a mesma doença do meu filho e passei a cuidar mais dele”, relata.

O tratamento é prescrito por três médicos alergologistas renomados de Fortaleza, Recife e Feira de Santana e na região do Vale do São Francisco, um hospital particular apresentou cinco médicos alegando que formariam uma junta médica para tratar do caso, mas a situação tomou outro rumo.

“Nessa equipe tinha uma alergologista, ela disse que se eu colocasse meu filho na escola e que se acontecesse um caso de morte seria um acidente e o diretor desse hospital falou para mim que o normal da vida seria nascer e morrer”, disparou.

O tratamento do garoto foi interrompido e a mãe solicita a continuidade do acompanhamento do caso nesse hospital particular.

“Eles têm conhecimento da gravidade e não sabem resolver a situação, mas eles não querem fazer nada, eu quero que o hospital particular trate meu filho, quem é médico precisa ter essa capacidade porque ele hoje está estabilizado, mas o caso continua grave”, enfatizou.

1 Comentário

  1. Rita Coelho Pereira

    15 de agosto de 2019 em 13:46

    Essas questões relacionadas a reações alérgicas são muito complicadas. Eu mesmo sou alérgica a uma série de produtos e alimentos, maçã, uva, abacate, manga, mamão, rabanete, nabo, derivados do leite, amendoim, castanhas e etc. O que realmente melhora é não usar ou consumir. Produtos de limpeza e de beleza também, e os sintomas ja tive desde orticarias, mau estar, tonturas, inchaços, asfixcia.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Pernambuco alcança 26º mês seguido de queda nos roubos

Balanço divulgado pelo Governo do Estado nesta quarta-feira (13) mostra que Pernambuco amp…