“Exército não matou ninguém”, afirma Bolsonaro após músico ser alvejado por militares

1

Cinco dias após a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos, no Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro se manifestou pela primeira vez sobre o caso. Ele afirmou nesta sexta-feira (12), no evento de inauguração do aeroporto de Macapá, “lamentar a morte do cidadão trabalhador e honesto”, mas classificou a ação como um “incidente”. Bolsonaro ressaltou ainda que “o Exército não matou ninguém”, que “o Exército é do povo e não se pode acusar o povo de ser assassino”.

No último domingo, o músico foi vítima de, pelo menos, 80 tiros de fuzil disparados por soldados do Exército, que dizem ter confundido o carro de Evaldo com o de criminosos.

Até a declaração desta sexta, o governo federal só havia só havia se manifestado sobre o caso por meio do porta-voz Otávio Rêgo. Na ocasião, ele disse que “não existe essa de jogar para debaixo do tapete” e que o responsável pela morte de Evaldo dos Santos Rosa será responsabilizado.

1 Comentário

  1. Marcos

    12 de abril de 2019 em 23:30

    Você acha que os militares viram um carro com uma família dentro e resolveram atirar.
    Claro que foi uma condulta errada que não condiz com os militares do Exército.
    Só não entendo porque seu Blog não posta meus comentários….

    Responder

Deixe uma resposta para Marcos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Petrolina: Foragido da justiça é preso no bairro Alto do Cocar

A Polícia Militar prendeu ontem (18), por volta das 15h, um foragido da justiça acusado de…