“Exército não matou ninguém”, afirma Bolsonaro após músico ser alvejado por militares

1

Cinco dias após a morte do músico Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos, no Rio de Janeiro, o presidente Jair Bolsonaro se manifestou pela primeira vez sobre o caso. Ele afirmou nesta sexta-feira (12), no evento de inauguração do aeroporto de Macapá, “lamentar a morte do cidadão trabalhador e honesto”, mas classificou a ação como um “incidente”. Bolsonaro ressaltou ainda que “o Exército não matou ninguém”, que “o Exército é do povo e não se pode acusar o povo de ser assassino”.

No último domingo, o músico foi vítima de, pelo menos, 80 tiros de fuzil disparados por soldados do Exército, que dizem ter confundido o carro de Evaldo com o de criminosos.

Até a declaração desta sexta, o governo federal só havia só havia se manifestado sobre o caso por meio do porta-voz Otávio Rêgo. Na ocasião, ele disse que “não existe essa de jogar para debaixo do tapete” e que o responsável pela morte de Evaldo dos Santos Rosa será responsabilizado.

1 Comentário

  1. Marcos

    12 de abril de 2019 em 23:30

    Você acha que os militares viram um carro com uma família dentro e resolveram atirar.
    Claro que foi uma condulta errada que não condiz com os militares do Exército.
    Só não entendo porque seu Blog não posta meus comentários….

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Caso Domingos de Cristália: TRE-PE deve julgar recursos do vereador nesta segunda (19)

Está marcado para a próxima segunda-feira, (19), o julgamento de recursos do vereador Domi…