Em nota, Sindicato dos Médicos da Bahia se manifesta contra a realização do Carnaval em 2022

 A entidade afirma  que  com o atual cenário pandêmico, a realização da festa contribuiria para agravar a situação de transmissão  da Covid-19 e assim o cenário voltaria a piorar dramaticamente na Bahia.

“O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia, por motivos de saúde pública, é contrário à realização do carnaval. Por sua própria natureza de festa de multidão, a folia momesca envolve aglomeração, o que implica em aumento significativo de transmissão de doenças virais, o que é historicamente constatado pelos médicos nos atendimentos após o período carnavalesco. Com a pandemia, a propagação da Covid-19 na escala da maior festa popular do planeta poderia ser catastrófica.

Nos últimos dois anos, infelizmente, todos perderam muitas pessoas próximas. A classe amargou a morte de muitos colegas profissionais e médicos com comorbidades continuam mantidos na linha de frente da Covid-19.

O nível de propagação da doença voltou a crescer em países da Europa. Isso ainda pode ocorrer no Brasil. O Sindimed considera que a realização do Carnaval contribuiria para agravar a situação de transmissão e assim o cenário voltaria a piorar dramaticamente na Bahia.

Um outro fato que preocupa a categoria é que, havendo um novo avanço da Covid, poderá voltar a ocorrer o retardo verificado anteriormente, durante a pandemia, nos diversos tratamentos de pacientes com doenças crônicas tais como diabetes, hipertensão, obesidade e câncer.

O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia apela aos entes públicos que, neste momento ainda de pandemia, priorize a saúde pública e mantenha suspenso o Carnaval 2022″

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Pernambuco registra 450 novos casos e seis mortes por Covid-19 nas últimas 24h

A Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) registrou, nesta quarta-feira (8), s…