Em live, Bolsonaro ataca Ibama, ONGs e ameaça cortar diretoria da Funai

0

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais de dentro do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) repetiu críticas da campanha: atacou fiscais do Ibama, ONGs e ameaçou cortar a diretoria da Funai.

Além de Bolsonaro, participaram do vídeo cinco indígenas de etnias diferentes, de diversas origens do país. Eles foram levados ao Planalto por Luiz Antonio Nabhan Garcia, ruralista e Secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura. “Assim como o povo brasileiro tem que dizer o que eu vou fazer como presidente, o índio tem que dizer o que a Funai vai fazer”, disse. “Se não for assim, eu corto toda a diretoria da Funai.” O presidente voltou a defender a exploração mineral em terras indígenas. “Na [reserva] ianomami, Raposa Serra do Sol [em Roraima], debaixo da terra há bilhões ou trilhões de dólares. Não precisa nem discutir isso ai”, disse.

“O garimpo é uma atividade legal também, em alguns locais não é legal, legaliza. Meu pai foi garimpeiro, parte da minha vida garimpei por esporte, não só com bateia, mas como jogo de peneira e sei que essa região é muito rica. Se fala tanto em serra pelada, mas a ianomami é riquíssima. Por isso que tem ONG dizendo que tá defendendo índio lá, se fosse uma terra pobre, não teria ninguém lá, ninguém. Como é rica tá lá esses picaretas internacionais, picaretas dentro do próprio Brasil, picaretas dentro do pobre governo dizendo que protegem vocês”, disse, apontando para os indígenas. No vídeo, os índios defendem o direito de cultivar nas terras e produzirem atividades para geração de riquezas. Bolsonaro criticou ainda a atuação de fiscais do Ibama, da Funai e de ONGs indigenistas.

“Nossos irmãos, os mais humildes, trabalhando e sendo multados pelo Ibama. Por isso, junto com o [Ricardo] Salles, nosso ministro do Meio Ambiente, tomamos providências para substituir esse tipo de gente. Esse tipo de gente é brasileiro, não está preocupado com o meio ambiente. A preocupação deles é outra. Inclusive, parte dessa multa vai para ONGs que dizem que é para fiscalizar a questão ambiental. Não é. Nós vamos acabar com esse percentual de multa que vai pra ONGs. ONG, se é não governamental, é fora do Estado, não vai ser conosco e ponto final”, disse.

Ainda sobre a atuação de ONGs, sem especificar nenhuma, disse que elas trabalham em interesse próprio e não por indígenas. O presidente insinua ainda que “estão inventando questões indígenas” para dificultar o linhão de Tucuruí, que ligar Roraima ao sistema nacional de energia. “Nós queremos, por exemplo, fazer uma linha de transmissão de energia elétrica. Temos problema. Não é com índio. São de péssimos brasileiros que dizem que representam vocês que ficam fazendo com que isso não aconteça”, disse.

Bolsonaro disse ainda que ONGs e partidos políticos querem escravizar os índios.
“[índios] Vão continuar sendo pobres? Escravizados por ONGs, escravizados por partidos políticos, por deputado, por senador que não tem compromisso nenhum com vocês, que usam de vocês para se dar bem. Nós queremos a liberdade de vocês.”, afirmou. (FolhaPE)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Polêmica: ‘Pulmões do mundo são os oceanos, não a Amazônia’, diz Mourão

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, rebateu, nesta quinta-feira (22), os come…