Coluna Literária do Domingo

Há dor que mata a pessoa
Sem dó nem piedade.
Porém, não há dor que doa
Como a dor de uma saudade.

Meus versos é como semente
Que nasce arriba do chão;
Não tenho estudo nem arte,
A minha rima faz parte
Das obras da criação

Patativa do Assaré
Fechado para comentários

Veja também

Jogos Olímpicos: Seleção Brasileira Feminina de futebol vence a Nigéria em sua estreia

Nesta quinta-feira (25), a Seleção Brasileira Feminina marcou a estreia do futebol feminin…