Cientistas desenvolvem vacina que protege contra diferentes espécies de coronavírus e suas variantes

A pandemia do coronavírus só chegará ao fim quando a maior parte da população estiver imunizada, dizem especialistas. Mas, até atingir as taxas de 60% a 70% estimadas como necessárias para gerar a chamada imunidade coletiva -diminuindo assim a chance do vírus infectar novas pessoas e se disseminar-, novas variantes vêm surgindo no Brasil e no mundo.

Com isso, as produtoras de vacinas, o único fármaco comprovadamente eficaz contra a Covid-19, buscam constantemente atualizar os seus imunizantes, garantindo assim a proteção mesmo se novas cepas do vírus surjam.

Diante disso, uma vacina universal eficaz contra todas as formas do vírus conhecidas e até mesmo, por que não, as ainda desconhecidas e que podem ser potencialmente perigosas, seria o sonho de todo laboratório que pesquisa os imunizantes.

Não mais. Cientistas da Universidade de Duke e da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos Estados Unidos, desenvolveram uma vacina chamada “pancoronavírus”, isto é, eficaz contra diferentes espécies dessa família viral e suas variantes.

O artigo descrevendo a nova plataforma foi capa da revista científica Nature, uma das mais prestigiadas, no último dia 10 de maio.

Para encontrar uma fórmula mágica da vacina capaz de reconhecer todas essas formas distintas do patógeno, os pesquisadores se debruçaram justamente sobre o mecanismo de entrada do vírus nas células: a proteína S do Spike, também chamada de espinho ou espícula.

Essa proteína funciona como uma chave para a fechadura no hospedeiro, uma região presente na superfície celular de muitas das células que compõem o nosso e organismo de outras espécies animais. Chamada de região de ligação do receptor (RBD, na sigla em inglês), o grupo mapeou as diferentes moléculas nessa área e encontrou uma em comum em todos os tipos de vírus.

Ao mesmo tempo que a RBD serve para o vírus se ligar às células e infectá-las, ela também é uma região importante de ligação com os anticorpos que tentam impedir sua entrada.

A vacina foi então formulada para induzir a resposta imune de anticorpos que se ligam contra essa região em todos os vírus, chamados de anticorpos neutralizantes cruzados. Ela é composta por fragmentos de proteína aglutinados em nanopartículas, que transportam as proteínas ao organismo.

Nas células, as nanopartículas liberam a proteína S no plasma, onde ela é traduzida pelo maquinário celular e reconhecida pelo sistema imune -tecnologia similar é utilizada pela empresa de biotecnologia norte-americana Novavax.

Quando o coronavírus verdadeiro infectar o organismo, o corpo estará preparado para uma resposta imune, facilitada ainda mais pela adição de um adjuvante à fórmula, que potencializa a produção de células de defesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Petrolina (PE): Leite da merenda escolar do Governo de Pernambuco é jogado no lixo; veja o vídeo

Em Petrolina, populares encontraram dezenas de pacotes de  leite descartados num terreno b…