Cemitérios de Petrolina (PE): problemas e desafios

Esse dia 02 de novembro, em que se comemora o dia de finados e presenciando a grande movimentação de familiares, que se tem nos cemitérios da cidade, entes queridos sepultados, são nítidas as reclamações. Por mais que a Prefeitura Municipal, tenha se esforçado para executar a limpeza, e segurança para esse dia tão movimentado.

As reclamações vão desde a sujeira, roubos de peças dos túmulos, invasões por usuários de drogas, pouca iluminação e até negociações de terrenos sem o conhecimento da administração.

Após o falecimento de minha genitora em 2019, comecei a ver de perto as dificuldades das famílias que têm seus túmulos violados, assim como as famílias que tiram o seu sustento trabalhando de forma precária na limpeza de túmulos.

Em tempo, percebo que chegou a hora do Poder Público Municipal realizar uma PPP – Parceria Público-Privada, a fim de organizar os cemitérios da cidade que são muitos, tendo os maiores o Campo das Flores no Centro, Campo da Paz no Henrique Leite e o Campo da Esperança no João de Deus. Ainda temos os cemitérios de médio porte no Carneiro, N-5, N-9, N-10, Capim, Izacolândia, Roçado, Pau Ferro, Rajada, Nova Descoberta.

Existem problemas e desafios que Petrolina precisa encarar como as grandes cidades do país já estão administrando. Problemas esses, que vão desde o impacto ambiental como a contaminação do solo e lençol freático pelo necrochorume. O necrochorume é o tipo de chorume produzido pela decomposição dos cadáveres nos cemitérios. Se forma cerca de 6 meses após o óbito. É nesse período que o corpo inicia a fase de dissolução das partes moles, formando e liberando o necrochorume.

Outro problema é a falta de segurança que leva a ação de vândalos na violação de túmulos retirando peças de bronze, prata, cobre, granito e até vasos de plantas. E não devemos esquecer de mencionar que em algumas cidades do país há cemitérios que são roteiros turísticos, e espaço também para aulas de história e psicologia, tamanho o valor histórico e artístico de um povo.

Chego à conclusão que a Prefeitura de Petrolina não tem material humano para administrar os diversos cemitérios da cidade, seja na área urbana ou no interior. O que se faz necessário, abrir um debate com a sociedade petrolinense, e encontrar o melhor caminho, e defendo a administração dos cemitérios através da Parceria Público-Privada com cláusulas que atendam os interesses da gestão pública municipal.

Pedro Caldas
Suplente de Vereador – REPUBLICANOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Petrolina (PE): Hospital Dom Tomás realiza primeira cirurgia de câncer de estômago após  voluntariado da equipe cirúrgica e doações de materiais

O Hospital Dom Tomás, em Petrolina (PE), realizou a primeira cirurgia de  câncer de estôma…