Brasil entra em rede global de produção de vacinas contra Covid-19

Trinta países, entre eles o Brasil, anunciaram a criação de uma força-tarefa para fazer vacinas, testes, tratamentos para combater o coronavírus, e produzi-los em escala suficiente para atender a todos os países.

Idealizado pela Costa Rica e coordenado pela OMS, o C-TAP (união de acesso à tecnologia para a Covid-19) vai trabalhar em rede para compartilhar informações e dar acesso às tecnologias desenvolvidas em cinco áreas: 1) divulgação pública de sequenciamento genético, 2) transparência na publicação de todos os resultados de ensaios clínicos, 3) licenciamento de potenciais tratamento, diagnóstico, vacina ou outra tecnologia de saúde para o Pool de Patentes de Medicamentos -um órgão de saúde pública apoiado pelas Nações Unidas, 4) promoção de modelos de inovação aberta e transferência de tecnologia e 5) inclusão de cláusulas que prevejam distribuição equitativa, acessibilidade e publicação de dados de ensaios nos acordos de financiamento de laboratórios e startups.

Dos 30 que anunciaram adesão à iniciativa, apenas quatro são países desenvolvidos, todos europeus: Luxemburgo, Noruega, Portugal e Holanda.
A OMS afirmou que ainda não há definição sobre qual será a atuação do Brasil no desenvolvimento e produção de tratamentos e vacinas, o que será feito “nos próximos passos” do projeto. A entidade não informou se há um calendário para os próximos passos.

Segundo Akira Homma, assessor científico sênior do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, da Fiocruz, o país teria condições de entrar em pelo menos três fases do processo: no desenvolvimento de vacinas, nos testes clínicos de fase 3 (que precisam ser feitos em um país onde a pandemia ainda esteja ativa) e na fabricação dos produtos em grande escala.

Uma das vantagens competitivas do país, segundo ele, é a unidade piloto de vacinas de Bio-Manguinhos, “com todas as características de boas práticas de fabricação, que pode produzir para estudos clínicos e fazer o escalonamento de produção”.

Homma diz que pesquisas para o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19 feitas em diferentes centros diferentes, como USP, Incor e Fiocruz de Belo Horizonte, trabalhando com diversas alternativas tecnológicas, poderiam potencialmente participar do pool global.

Esses institutos têm parcerias com instituições estrangeiras e podem buscar alianças para acelerar suas pesquisas, afirma o assessor científico.

As instalações de produção industrial da própria Bio-Manguinhos e do Instituto Butantã podem ser importantes quando uma vacina viável for descoberta. “Laboratório nenhum no mundo consegue produzir a quantidade necessária em escala global”, diz ele.

Além disso, o mais provável é que, quando houver vacinas para serem testadas na população, o número de casos de Covid-19 já esteja muito baixo em países desenvolvidos, e seja preciso fazer os experimentos em outras regiões, como o Brasil.

No desenvolvimento de uma vacina, ela é primeiro testada em células em laboratório, depois em animais, e então passa a estudos clínicos com seres humanos.

Na fase 1 é testada a segurança, em grupos de 40 ou 50 pessoas; na fase 2, calibram-se as dosagens corretas para diferentes grupos e na fase 3 a vacina é aplicada em uma amostra da população que esteja exposta à doença, para que seja avaliada sua eficácia. É nesse momento que o Brasil pode ser um local propício para os experimentos. (DP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Mais 165.100 doses da vacina AstraZeneca chegaram a Pernambuco; lote da CoronaVac deve vir nesta sexta (7)

Pernambuco recebeu, na tarde desta quinta-feira (6), mais 165.100 doses da vacina AstraZen…