Bahia tem 26 faculdades entre as piores do país na avaliação do MEC

0

vetibular

O aumento no número de opções de instituições de ensino superior nem sempre significa ensino com qualidade. Prova disso é que na mais recente avaliação do Ministério da Educação (MEC), 324 instituições foram consideradas insatisfatórias, sendo 319 faculdades, uma universidade, um instituto federal e três centros universitários. Na Bahia, 26 faculdades foram “enquadradas” pelo MEC na condição de insatisfatórias.

Para ser “reprovada”, uma instituição precisa ficar abaixo da faixa 3 do IGC (Índice Geral de Cursos) que vai de 1 a 5 e é o indicador oficial de qualidade do ensino superior no país.

Calculado anualmente, IGC é feito com base na média ponderada dos Conceitos Preliminares de Curso (que levam em conta o rendimento dos alunos no ENADE, infraestrutura e qualidade do corpo docente) e dos conceitos de mestrado e doutorado, ancorados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (Capes).

O índice considera o CPC dos cursos avaliados no ano do cálculo e nos dois anos anteriores. Por isso a divulgação refere-se aos três anos suficientes para que todas as áreas sejam avaliadas.

Notas 1 e 2 são insuficientes e o mau desempenho acarreta em punições por parte do MEC. Uma das medidas possíveis, por exemplo, é a proibição de novos vestibulares até que a instituições aponte soluções para melhora do desempenho. Neste último ciclo de avaliação, 24 instituições tiveram a nota máxima de 5.

A UNITINS, no Tocantins, é a única universidade da lista que também traz o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Acre, duas instituições públicas de ensino. Confira aqui: Faculdades na Bahia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Petrolina (PE) aumenta nota e lidera ranking do Ideb em Pernambuco

Com médias acima de Pernambuco, do Nordeste e do Brasil, Petrolina por mais um ano se dest…