Professores da Uneb aprovam greve por tempo indeterminado

0

greve

A greve por tempo indeterminado foi aprovada pelos professores da Uneb, nesta quinta-feira (7), em assembleia geral, realizada no teatro do campus I, em Salvador. Nesta mesma tarde os docentes da Uefs, Uesb e Uesc também realizam assembleias, que pautam a deflagração da greve em todas as Universidades Estaduais da Bahia (Ueba). De acordo com a assessoria jurídica da Associação dos Docentes da Uneb (ADUNEB), com base no que dispõe o Supremo Tribunal Federal, sobre legalidade do movimento grevista, após a aprovação são necessários três dias úteis para o início da greve. A norma está prevista no art. 37, inciso VI da Constituição Federal, utilizando o art. 13, da Lei n. 7.783/89.

Segundo a diretoria da ADUNEB, a greve é necessária diante do descaso do governo do estado com a crise orçamentária das universidades. A luta pelo aumento do orçamento das universidades para, no mínimo, 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) é pauta do Movimento Docente (MD) desde 2011. Ano após ano aumenta o estrangulamento orçamentário e o sucateamento. Como fruto do próprio crescimento das estaduais da Bahia, aumentam também os números de cursos de graduação, pós-graduação, estudantes, laboratórios, demandas de ensino, pesquisa e extensão. Enquanto isso, o orçamento das rubricas de custeio e investimento sofrem constantes cortes, como os ocorridos nos últimos dois anos, que totalizam R$ 19 milhões a menos para as Ueba.

Juazeiro

Professores da Uneb em Juazeiro  se reuniram agora a pouco e apoiam o movimento. De acordo com os docentes faltam infraestrutura, materiais didáticos e equipamentos em laboratórios. Bolsas de auxílio à pesquisa e permanência estudantil são constantemente atrasadas; professores não cumprem viagens a trabalho por falta de verba e prestadores de serviços dos setores de vigilância e limpeza também são penalizados com o atraso no pagamento. Devido à falta de recursos, também não acontecem concursos públicos, o que gera déficit no quadro de vagas e sobrecarga de funções em técnico-administrativos e docentes, afirmam os professores.

140 professores em todo o Estado votaram  a favor da greve, contra 9,4% de  abstenções. Os portões só serão fechados a partir do dia 13 de maio (Terça-Feira), obedecendo o prazo 72h de acordo com a legislação, com base no que dispõe o Supremo Tribunal Federal, sobre legalidade do movimento grevista, onde após a aprovação são necessários três dias úteis para o início da greve. A norma está prevista no art. 37, inciso VI da Constituição Federal, utilizando o art. 13, da Lei n. 7.783/89.

Os técnicos e funcionários da instituição farão assembléia via videoconferência no dia 12 de maio,e eles também deverão entrar em greve. O mesmo encaminhamento será feito pelos estudantes em apoio ao movimento grevista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Com saída de cubanos, dez cidades baianas ficarão sem nenhum médico na atenção básica

Dez cidades do interior baiano, com menos de 40 mil habitantes, ficarão sem nenhum médico …