Preso por vender pastel de carne de cachorro afirma que prática é comum no Rio de Janeiro

0

pastel
Uma investigação do Ministério Público do Trabalho (MPT) descobriu uma lanchonete em Parada de Lucas, na Zona Norte do Rio, que vendia pastéis e outros salgados recheados com carne de cachorro. Os animais eram mortos nos fundos do estabelecimento a pauladas, desmembrados e congelados para uso posterior.

O dono da lanchonete, um chinês, já está preso e cumprindo pena no Complexo do Gericinó. Em um primeiro momento, ele chegou a dizer que não sabia que o abate de cachorros era proibido no Brasil. Depois, confessou que tinha ciência de que era um crime. A investigação do MPT teve início em 2013, quando a lanchonete foi descoberta, mas só agora as informações foram divulgadas à imprensa. Ele disse também que recolhia os animais nas ruas da Zona Norte.

Para tentar justificar a prática de colocar carne de cachorro nos salgados comercializados em sua lanchonete, o chinês alegou que a prática é muito comum em lanchonetes que pertencem à chineses em toda a capital fluminense.

A ação do MPT tinha o objetivo de averiguar denúncias de trabalho escravo envolvendo jovens chineses. De fato, os investigadores constataram que vários estabelecimentos mantinham pessoas em regime de escravidão. Os jovens eram aliciados na China com promessa de salário de R$ 2.000,00 por mês com moradia e alimentação por conta do empregador. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, recebiam a notícia de que teriam que trabalhar sem receber nada por pelo menos três anos para pagar as despesas da viagem. Alguns deles trabalhavam das 5h30 às 23 horas e ainda recebiam agressões físicas e tinham queimaduras de cigarro pelo corpo.

Encontrar o esquema de abate de cães e ver o estado das vítimas que eram feitas de escravas chocou a equipe de fiscalização. A procuradora Guadalupe Louro Couto chegou a comparar a situação às que ela encontrou em investigações realizadas em fazendas de gado no Mato Grosso.

“Já vi muita coisa ruim, principalmente em trabalhos que realizei em fazendas do Mato Grosso. Mas o que encontrei naquela pastelaria foi o pior de tudo. Para começar, havia uma cela, como se fosse uma cadeia, com grades e cadeado, montada dentro da lanchonete, onde o trabalhador ficava encarcerado. Além disso, ele convivia com o cheiro dos cachorros mortos, que ficavam ao lado dele. Eu não aguentei. Quando senti o cheiro, comecei a passar mal e pedi para sair do estabelecimento. Ao abrimos as caixas de isopor, vimos os cachorros congelados. Ficamos perplexos. Foram vários os crimes cometidos ali.” – lamentou a procuradora.

FONTE: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Distritos da zona rural de Juazeiro ficarão sem água a partir de sexta-feira (25)

Os moradores das comunidades de Guanhães e sede do Distrito de Itamotinga, Aroeira, Junco,…