Exposição e Fórum marcam o ‘Maio da Diversidade’ em Juazeiro

0

homofobia

A Prefeitura de Juazeiro, através da Secretaria de Desenvolvimento e Igualdade Social – SEDIS, realizou o ‘Maio da Diversidade’ nestas quarta e quinta-feira (27 e 28), no Centro de Cultura João Gilberto, com a Exposição ‘Juazeiro Sem Homofobia’, do fotógrafo Lissandro Carvalho e o II Fórum de Debate, com a palestra magna de João W. Nery, escritor e psicólogo, considerado primeiro transhomem operado do Brasil.

Durante a exposição, que retratou personalidades regionais e pessoas comuns, que defendem o respeito às diferenças e a igualdade de direitos, o supervisor de Diversidade da SEDIS e presidente do Conselho de Direitos Humanos, Anderson Motta agradeceu ao fotógrafo Lissandro Carvalho e a todas as pessoas que aceitaram o convite de serem fotografadas, manifestando o seu repúdio a homofobia. “Estou muito feliz por esse momento, a gerencia de Diversidade tem trabalhado em defesa da comunidade LGBT, dos negros, das mulheres vítimas de violência, dos deficientes, enfim estamos em uma busca diária em defesa dos Direitos Humanos. No ano passado conseguimos criar o Conselho de Direitos Humanos, onde temos representantes LGBT e é um espaço importante para discussões desta comunidade”, afirmou Anderson.

A transexual e estudante de Ciências Sociais da Univasf, Micaella Bezerra disse que ficou feliz pelo convite da SEDIS. “É muito importante que seja dado espaço as pessoas trans, temos nossos direitos negados todos os dias,somos proibidas de ocupar os espaços na sociedade. Eu sou a primeira aluna transsexual e estagiária da Univasf, e já sofri muito preconceito, dos alunos, que ficavam falando chacotas nos corredores, e também de alguns funcionários, quando você solicita ser chamada pelo nome social e eles não compreendem e te chamam pelo nome civil, e isso incomoda muito. Mas aos pouco fui buscando meu espaço e hoje sou respeitada”, relatou a estudante.

Estavam presentes no lançamento da Exposição, a secretária da SEDIS, Célia Regina Carvalho, a gerente de Diversidade, Luana Rodrigues, o vereador Sargento Bastos, vice presidente do Conselho de Direitos Humanos, o presidente da OAB, Carlos Arthur, a jornalista Sibelle Fonseca, estudantes, representantes das comunidades de terreiro, artistas, a comunidade LGBT e simpatizantes.

Na quinta-feira (28), o ‘Maio da Diversidade’ foi encerrado com o Fórum de Debate, com a participação especial de João W. Nery, que de maneira esclarecedora explicou a transexualidade, o que é identidade sexual e contou um pouco da sua história. “Eu sou considerado o primeiro transhomem operado do Brasil. Prefiro o termo transhomem do que homem-trans, porque eu me recuso ao binarismo sexual. Eu sou trans antes de ser homem, me orgulho, luto pela causa e quero a visibilidade trans. Na verdade, eu nunca serei um homem como se costuma designar esse termo. Os rótulos e as identidades também são criações e invenções, nós transcendemos qualquer tipo de identificação, mas precisamos deles para nos fazermos inteligíveis na cultura e para podermos lutar por políticas públicas”, esclareceu João. O palestrante falou também sobre a questão do nome social e a dificuldade de se realizar a cirurgia de readequação de sexo pelo SUS.

Durante o debate, a mãe de um DJ homossexual e estudante universitário, Magnólia de Brito contou o trabalho que desenvolve em Petrolina, com mães, filhos e famílias, buscando mostrar a importância que é o laço afetivo quando se percebe que um filho é homo ou transexual. “Precisamos acabar primeiro com a homofobia dentro de casa. Não é fácil no início, mas a família precisa respeitar e conversar com a pessoa, porque o mais importante é a relação de amor e carinho da família”.

“Nós estamos buscando ampliar a cada dia a discussão deste público e beneficiá-los nos Programas Sociais. No ano passado conseguimos contemplar casais LGBT, no programa Minha Casa Minha Vida, oferecemos cursos e oficinas no Programa Qualifica Juazeiro e no Pronatec. Quero aprender a cada dia com vocês e trazer para a nossa secretaria políticas públicas mais amplas e eficazes”, ressaltou a secretária da SEDIS, Célia Regina Carvalho.

A gerente de Diversidade, Luana Rodrigues agradeceu a participação e contribuição no Fórum ‘Juazeiro Sem Homofobia’, dos estudantes, dos professores, artistas, ativistas, profissionais da assistência social, advogados, representantes das universidades e a comunidade LGBT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Polícia prende dois integrantes de grupo especializado em furtos, roubos, desmanche e venda de veículos clonados em Juazeiro

Durante rondas no bairro Malhada da Areia, em Juazeiro (BA), na tarde desta terça-feira (1…