Defensor Público se reúne com direção do HU em busca de melhorias

0

defensor

Após inúmeras reclamações e denúncias recebidas na Defensoria Pública da União (DPU) em Petrolina, representantes do órgão realizaram uma reunião com a direção Hospital Universitário Doutor Washington Antônio de Barros (HU), seguida por uma inspeção na unidade hospitalar na manhã da última quarta-feira (29). A DPU estabeleceu um prazo para reavaliar a situação e decidir sobre uma possível Ação Civil Pública (ACP) para tratar do caso.

A reunião aconteceu na superintendência do HU com a presença do defensor público federal Igor Roberto Albuquerque Roque, das assessoras da DPU em Petrolina Diane Jessica Morais Amorim e Tracy Nathalia Silva Torres, do superintendente do hospital José Ricardo Pernambuco e dos diretores Haroldo Cezar e Ronald Mendes.“A reunião foi para a DPU tomar conhecimento dos fatores que causam os problemas relatados pelos assistidos”, destacou o defensor Igor Roque, que entregou um ofício aos representantes do hospital solicitando informações sobre, por exemplo, as especialidades médicas disponibilizadas, a fila de espera, a capacidade de atendimento e a quantidade de leitos.

A superintendência do Hospital Universitário se dispôs a passar todas as informações necessárias e antecipou alguns dados durante a reunião. Segundo o defensor Igor Roque, “restou claro que o objetivo é que a DPU ajude a viabilizar o pleno atendimento do hospital”.

Após o encontro, os representantes da DPU, acompanhados da equipe de ouvidoria do hospital, realizaram uma inspeção na unidade. “Inicialmente não encontrei nenhuma irregularidade, exceto a baixa quantidade de médicos”, destacou o defensor, que vai aguardar a resposta do ofício para estudar a necessidade ou não de judicializar a demanda por meio de uma Ação Civil Pública.

De acordo com o Defensor Público Federal do Recife Igor Roque o problema da unidade é a superlotação, que segundo ele acaba tornando insuficiente o atendimento a todos os pacientes.

“Infelizmente o hospital universitário foi construído para atender em média 200 mil pessoas e ele oferece assistência para vários Estados como Bahia, Paraíba, Piauí que chegam a quase 2 milhões de pessoas para serem atendidas”, disse.

A quantidade de médicos também prejudica o andamento da unidade e na reunião o defensor federal ressaltou que aguarda uma resposta da direção do hospital para a contratação de mais profissionais em um prazo de 20 dias para depois estudar o caso e saber quais medidas serão adotadas para viabilizar o atendimento ao público naquela unidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Família petrolinense viaja para Brumadinho (MG) em busca de informações de inspetor de máquinas que está desaparecido

Cláudio Márcio dos Santos, de 46 anos está entre os desaparecidos da tragédia do rompiment…